31 de maio de 2020
Siga-nos nas redes sociais Facebook Twitter Instagram

Notícias » Missão e Mundo

19/05/2020

IGREJA PERSEGUIDA| Pelo menos 620 cristãos foram mortos por terroristas em 2020, na Nigéria

Segundo uma ONG nigeriana, Boko Haram e jihadistas Fulani podem ser os responsáveis pela morte de milhares de cristãos até o final de 2020

Fonte: Guia-me / com informações do Christian Post e Portas Abertas - Foto: REUTERS / Afolabi Sotunde

Uma organização da sociedade civil nigeriana estima que pelo menos 620 cristãos foram mortos e centenas de casas, assim como igrejas, foram atacadas na Nigéria desde o início do ano, à medida que continuam os ataques terroristas por parte de grupos como os Fulani e o Boko Haram.

A organização não governamental Sociedade Internacional para Liberdades Civis e Estado de Direito, sediada em Anambra, liderada pelo criminologista Emeka Umeagbalasi, divulgou um comunicado nesta quinta-feira destacando o impacto das atrocidades cometidas por terroristas na Nigéria até agora, em 2020.

O relatório, baseado em dias de pesquisas forenses, alerta que os Fulani, que percorrem os estados rurais do Cinturão Médio e os terroristas afiliados ao Boko Haram e à Província da África Ocidental do Estado Islâmico na região nordeste da Nigéria "intensificaram sua violência anticristã".

O grupo relata o assassinato de "nada menos que 620 cristãos indefesos e os incêndios criminosos ou destruição arbitrária de seus centros de culto e aprendizado" em 2020.

Segundo o comunicado, os radicais Fulani são responsáveis por matar mais de 470 pessoas nos primeiros quatro meses e meio de 2020. O grupo relata que Fulani matou 140 cristãos do início de abril até 14 de maio.

Enquanto isso, acredita-se que o Boko Haram tenha matado pelo menos 150 cristãos desde janeiro.

"As atrocidades contra os cristãos ficaram sem controle e chegaram a um apogeu alarmante com as forças de segurança do país e autoridades políticas fechando os olhos para isso ou até mesmo conspirando com os jihadistas", argumenta a organização.

“As casas atacadas ou destruídas durante o período são centenas; da mesma forma, dezenas de centros de culto e aprendizado cristãos foram danificados”, acrescentou.

Sociedade Internacional conta com o que considera relatórios credíveis da mídia local e estrangeira, registros governamentais, relatórios de grupos internacionais de direitos e depoimentos de testemunhas oculares para compilar seus relatórios e atualizações estatísticas.

Registro da violência

A organização informou em março que pelo menos 350 cristãos foram mortos em janeiro e fevereiro, com ataques radicais de Fulani no Cinturão Médio da Nigéria representando 250 das mortes e terroristas do Boko Haram representando entre 50 e 100 assassinatos.

Além disso, o grupo informou na época que entre 11.500 e 12.000 cristãos foram mortos na Nigéria desde junho de 2015. Segundo a Intersociety, pastores [criadores de gado] radicais foram responsáveis ??pelo assassinato de mais de 7.400 cristãos e os grupos do Boko Haram por 4 mil assassinatos.

Embora existam conflitos entre pastores Fulani e comunidades agrícolas predominantemente cristãs nos estados do Cinturão Médio, há muitos defensores dos direitos humanos na região alertando que os ataques dos Fulani nos últimos anos aumentaram tanto em gravidade quanto em quantidade.

Os radicais Fulani costumam estar armados com armas de fogo quando realizam seus ataques noturnos a aldeias agrícolas adormecidas. Como resultado, muitas comunidades agrícolas foram expulsas de suas terras.

A Sociedade Internacional estima que, até o final de 2020, nada menos que um total de 32.000 cristãos terão sido mortos em toda a Nigéria pelos radicais Boko Haram e Fulani desde 2009.

"Os assassinatos cobrem de 2009 a 2020, com números projetados para o Boko Haram, seus descendentes ISWAP e os pastores jihadistas Fulani nos próximos sete meses e meio de 2020", explica o relatório.

Contexto

As descobertas da Sociedade Internacional acontecem quando o Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários estimou no ano passado que pelo menos 27 mil pessoas foram mortas por ataques do Boko Haram no nordeste da Nigéria desde 2009.

Durante os anos em que o Boko Haram ganhou destaque no nordeste, a Sociedade Internacional observa que havia 6 mil cristãos mortos por pastores radicais entre janeiro de 2009 e dezembro de 2014 nos estados do Cinturão Médio.

"Esta é uma média de mil mortes de cristãos por ano", relata a organização. “[Os] militantes jihadistas Fulani devem ter sido responsáveis ??por mais 9 mil mortes de cristãos, ou 1.500 mortes por ano [de janeiro de 2015 a final de dezembro de 2020]”.

"No final, os pastores jihadistas Fulani devem ter representado o total de mortes cristãs de 15 mil em 11 anos", estima Intersociety.

A organização também afirma que a maioria dos mortos pelo Boko Haram de janeiro de 2015 a dezembro de 2019 - cerca de 60% - são cristãos e que todos os mortos pelos radicais Fulani durante esse período são cristãos.

A Nigéria está classificada como o 12º pior país do mundo quando se trata de perseguição aos cristãos na lista de observação mundial da Missão Portas Abertas (EUA) para 2020. Segundo a Missão,,a Nigéria é um dos países mais violentos do mundo para se viver como cristão..

Pela primeira vez em dezembro passado, a Nigéria também foi adicionada à "lista de observação especial" do Departamento de Estado dos EUA sobre países que se envolvem ou toleram violações graves da liberdade religiosa.


Os terroristas não cantarão vitória sobre a Igreja, dizem cristãos na Nigéria


Apesar das medidas de quarentena e distanciamento decretadas em razão da pandemia do coronavírus na Nigéria, vários ataques têm sido relatados no norte da Nigéria, matando pelo menos 27 pessoas nas últimas três semanas, incluindo quatro mulheres e pelo menos oito crianças.

Os cristãos na área do governo local de Kajuru, no estado de Kaduna, enfrentam ataques direcionados por terroristas islâmicos hausa-fulani. Os missionários atuantes no país estão pedindo oração pelos cristãos deslocados e aos corajosos que retornaram às suas comunidades quase destruídas, todos enfrentando severa escassez de alimentos devido à crise global. Pastores locais estão liderando as congregações, enquanto enfrentam escassez desesperadora.

Em depoimento para a Missão Portas Abertas, os crentes locais explicaram o que motivou sua coragem de retornar.

"Devemos retornar para que os jihadistas não cantem uma canção de vitória sobre a Igreja de Jesus Cristo", explicou um deles.

O ataque mais recente ocorreu quando grupos de homens armados invadiram as comunidades de Bakin-Kogi, Idanu e Makyali entre terça-feira à noite e quarta-feira de manhã (13 de maio). Embora os números relatados sejam um tanto conflitantes, parece que pelo menos uma pessoa foi morta em Bakin Kogi e oito em Makyali. Muitas pessoas fugiram para salvar suas vidas e se esconderam no mato.

Contexto

O ataque ocorreu apenas dois dias após o massacre de 11 de maio na vila de Gonan Rogo, na mesma área do governo local que deixou 18 pessoas mortas. Por volta das 23h30, os terroristas atingiram a casa de Jonathan Yakubu, de 40 anos, matando o homem, sua esposa Sheba, 32, e seus três filhos, Patience, 13, Revelation, 6 e Rejoice, 4.

Então, os terroristas foram a outra casa, onde eles mataram Kauna Magaji e sua filha Faith antes de atirar e matar a recém-casada Saraunia Lucky, de 25 anos, em um complexo próximo enquanto ela segurava o recém-nascido nos braços. Embora a bala tenha atingido a cabeça do bebê, a criança sobreviveu e foi levada para um hospital próximo.

Outras vítimas do ataque foram John Paul, 6 anos, Asanalo Magaji 32, Yao Magaji, 13, Paul Bawa, 27 e sua esposa Rahila, 25; e Mailafia Dalhatu, 60, e seu irmão Yao Dalhatu, 56, com sua esposa Saratu, 45, e neta Blessing Yari, 14. Um garoto chamado de ‘Popular Teacher’ (‘Professor Popular’), 17 anos, também foi baleado e morto. Todos foram enterrados em uma vala comum.

Os jihadistas Fulani também atacaram as comunidades de Kikwari e Bakin Lamba, no distrito de Kufana. Os terroristas atiraram e mataram cinco cristãos em 25 de abril às 17 horas, incluindo Ado Maisamari, de 56 anos, Titus Amos, 27, e Habila Amos, 25. Um ancião e um jovem cujos nomes não são conhecidos, foram mortos a tiros em Bakin Lamba. atacantes fizeram o seu caminho através da vila para Kikwari.

A violência continua no estado de Plateau

Os cristãos da região de Bassa, no estado de Plateau, também enfrentaram contínuos ataques terroristas dos Fulani. Quatro jovens morreram nas primeiras horas do domingo em uma emboscada no distrito de Kwal, enquanto outro, suspeito de estar entre os agressores, foi morto.

As quatro vítimas estavam voltando para Miango de Kwal por volta das 21h quando foram emboscadas. Os agressores mataram três dos homens, enquanto o quarto morreu no Hospital Enos Miango nas primeiras horas da segunda-feira. Quando a comunidade se levantou em legítima defesa, os moradores foram alvo de fortes críticas de um assentamento vizinho de pessoas da etnia Fulani.


Da Redação/AD Alagoas
[email protected]

Rádio Online

Ouça

Cadastro

Cadastre-se e receba as últimas novidades do Portal AD Alagoas.

Correspondente

Interaja com o Portal AD Alagoas e envie sugestões de matérias, tire suas dúvidas, e faça parte do nosso conteúdo.

participe »
Lições Bíblicas
Estudos Bíblicos
Correspondente - Enviar Matéria

Igreja Evangélica Assembleia de Deus - Templo Sede
Av. Moreira e Silva, nº 406, Farol

 

Horário de Cultos

Aos Domingos 09:00h - Escola Dominical

Aos Domingos 18:30h - Culto Evangelístico

As Terças-feiras 18:30h - Culto de Doutrina

As Sextas-feiras 18:30 - Culto de Oracão

Facebook Twitter Siga-nos nas Redes Sociais