Siga-nos nas redes sociais Facebook Twitter Instagram

AD Alagoas / Lições Bíblicas

09/07/2022

LIÇÃO - A SUTILEZA DA BANALIZAÇÃO DA GRAÇA

Comentário da lição bíblica para o fim de semana com Pr. Jairo Teixeira Rodrigues


(Ef 2:8)”Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus.

-“A graça de Deus  não é barata, ela requer Arrependimento, novo comportamento, ou seja, nova vida em Cristo”.

I - GRAÇA, O FAVOR IMERECIDO DE DEUS

  1. Superabundante graça.Não há pecador, por pior que seja, que não possa ser alcançado pela graça divina, pois onde abundou o pecado, que foi exposto pela Lei, superabundou a graça de Deus (Rm.5:20). Portanto, a graça é maior que o pecado. Assim como o segundo Adão é maior do que o primeiro, assim como a obra de Cristo é maior do que o pecado de Adão, também a graça é maior do que o pecado. A redenção levou o homem não apenas ao seu estado original, mas a horizontes mais sublimes. Não somente restituiu o que ele havia perdido, mas o colocou numa posição superior aos anjos, tornando-o membro da família de Deus. A nova vida que recebemos pelo perdão dos pecados faz com que tenhamos comunhão com Deus, e o Espírito de Deus testifica com o nosso espírito, que volta a ter relacionamento com Deus, que somos filhos de Deus (Rm.8:16). Adotado por Deus, o crente é considerado como filho do Pai Celeste (1João 3:2), como irmão de Jesus (Hb.2.11), como herdeiro dos céus (Rm.8.17). De igual modo, é libertado do medo (Rm.8.15) e desfruta de segurança e certeza de vida eterna (Gl.4.5,6).
  2. Fé e Graça. Estes são os dois fatores imprescindíveis para a Salvação do ser humano. A salvação é um dom da Graça de Deus, mas somente podemos recebê-la em resposta à fé, do lado humano. É válido ressaltar que somos salvos não pela fé, mas pela graça mediante a fé. A fé não é a causa meritória, mas a causa instrumental da justificação. A Fé é a mão estendida que recebe o presente da vida eterna. Portanto, a Fé e a Graça atuam juntamente na obra da salvação.

Efésios 2:8-10 pode ser visto como o resumo mais completo no Novo Testamento do processo da nossa salvação:

“Porque pela graça sois salvos mediante a fé; e isto não vem de vós; é dom de Deus; não de obras, para que ninguém se glorie. Pois somos feitura dele, criados em Cristo Jesus para boas obras, as quais Deus de antemão preparou para que andássemos nelas”.

A maneira como recebemos a dádiva da salvação é mediante a Fé. Ter fé nesse caso significa assumir o lugar de pecador culpado e perdido e receber o Senhor Jesus como única esperança da salvação. A verdadeira fé que salva se manifesta quando a pessoa se entrega totalmente a Cristo.

“Não vem de vós”. Qualquer ideia de merecimento ou de que o homem pode adquirir a salvação pelas obras é completamente destruída pelas palavras “não vem de vós”. Pecadores nada merecem a não ser julgamento.

“É dom de Deus”. O “dom de Deus” é a salvação “pela graça mediante a fé”. Esse dom é oferecido a todas as pessoas em todos os lugares. Observe que não é a fé que opera a salvação, mas a graça de Deus que atua mediante a fé do crente no Filho de Deus (Rm.3:28; 5:2; Fp.3:9).

Se é verdade que o pecado se estendeu a todos os homens, sejam judeus, sejam gentios, e que, por causa dele, todos os homens estão destituídos da glória de Deus (Rm.3:23), também é verdade que os homens podem, agora, ser justificados gratuitamente por Deus pela Sua graça e pela redenção que há em Cristo Jesus (Rm.3:24).

Portanto, a Graça é a causa meritória da nossa salvação. Sem que o homem mereça coisa alguma, Deus providenciou um meio pelo qual o homem pudesse retornar a conviver com Ele. Ele enviou seu Filho para que morresse em nosso lugar e satisfizesse a justiça divina. A todos quantos creem na Obra do Filho, Deus permite que venha novamente a ter comunhão com Ele, ainda que imerecidamente. É este favor imerecido que consiste na maravilhosa Graça de Deus.

II  - A GRAÇA NO CONTEXTO ATUAL.

-A graça não é salvo conduto para pecar.

-Na época da Reforma Protestante, um dos seus motivos era a venda de indulgências, que nada mais era, senão um salvo conduto para pecar. Segundo o ensino das Sagradas Escrituras, a graça jamais pode ser vista como um salvo conduto para a prática do pecado ou da libertinagem. Diz o apóstolo Paulo: ”Porque vós, irmãos, fostes chamados à liberdade; porém não useis da liberdade para dar ocasião à carne” (Gl.5:13).

Fomos chamados para uma vida nova, para a liberdade, e não para a escravidão do pecado. Todavia, a liberdade cristã não é uma licença para pecar, mas o poder para viver em novidade de vida. A liberdade cristã não é licenciosidade, mas deleite na santidade. A liberdade cristã é a liberdade irrestrita para aproximar-se de Deus como seus filhos, não uma liberdade irrestrita para chafurdar em nosso egoísmo. A licenciosidade desenfreada não é liberdade alguma, é outra forma mais terrível de servidão, uma escravidão aos desejos de nossa natureza caída. Enfim, a liberdade cristã não é liberdade para pecar, mas liberdade de consciência, liberdade para obedecer. O cristão salvo pelo sangue de Cristo é livre para viver em santidade.

Muitos defendem a liberdade do amor livre, a prática irrestrita do aborto, o uso indiscriminado das drogas e o homossexualismo, porém, isso não é liberdade, é escravidão. Jesus disse que aquele que pratica o pecado é escravo do pecado (João 8:34).

À época de Paulo, os inimigos da graça apresentava um argumento supostamente irrefutável: “Se a graça é superabundante onde o pecado é abundante, se a multiplicação das transgressões serve para demonstrar o esplendor da graça, então não deveríamos pecar mais para que Deus seja ainda mais glorificado na magnificência da sua graça?”. 

Esta pergunta retratava tanto a distorção antinomiana como a objeção dos legalistas à doutrina da justificação pela graça, por meio da fé, independentemente das obras. A inferência licenciosa é imediata e energicamente rejeitada por Paulo; responde o apóstolo: “De modo nenhum! Nós que estamos mortos para o pecado, como viveremos ainda nele?” (Rm.6:2). De acordo com esta resposta de Paulo, não podemos continuar a pecar porque morremos para o pecado. Trata-se de um fato acerca de nossa condição. Quando Jesus morreu para o pecado, Ele o fez como nosso representante. Morreu não apenas como nosso substituto, ou seja, por nós e em nosso lugar, mas também como nosso representante, ou seja, como se nós estivéssemos lá. Assim, quando Ele morreu, nós também morremos. Ele morreu para o problema do pecado e resolveu-o de uma vez por todas. Para Deus, todos que estão em Cristo também morreram para o pecado. Isto não quer dizer que o cristão é impecável; antes, ele é identificado com Cristo em sua morte e tudo o que ela significa.

III. O ESCÂNDALO DA GRAÇA

A Graça é um escândalo para aqueles que não se converteram de verdade a Cristo, que não nasceram de novo. Exatamente pelo fato de a Graça de Deus ser um escândalo é que existe tanta dificuldade em compreendê-la de forma plena. Certamente, uma das formas de compreender é perceber o conceito da Graça de Deus presente na Parábola dos trabalhadores da vinha (cf. Mt.20:1-16); nesta Parábola, mesmo que o senhor tenha sido injusto aos olhos dos trabalhadores que iniciaram primeiro, não há méritos por tempo de serviço ou produtividade; a mesma recompensa dos que iniciaram o trabalho no fim do dia é dado aos que começaram no início do dia. É esta aparente “injustiça” sob a ótica humana, que caracteriza a Graça de Deus, que produz escândalo.

  1. Seria a graça injusta?A justiça divina, se comparada com a humana, é imensamente perdoadora; por isso, a graça torna-se injusta sob a ótica humana, pois é imerecida e incoerente. Por esse motivo, Paulo classificou-a como escandalosa (1Co.1:23; Gl.5:11). Paulo pregava a mensagem da cruz, anunciando que uma pessoa é justificada e aceita por Deus somente pela cruz de Cristo. As pessoas detestavam e ainda, hoje, detestam ouvir que só podem ser salvas ao pé da cruz, e opõem-se ao pregador que lhes diz isso. À época de Paulo, os falsos mestres ficavam ofendidos com essa pregação; eles sustentavam que a morte de Cristo não era suficiente para tornar uma pessoa aceitável a Deus; diziam que a cruz não era o bastante; era preciso algo mais. O argumento de Paulo, porém, é que a salvação pelas obras da lei é falsa. A salvação não é resultado do que fazemos para Deus, mas do que Cristo fez por nós na cruz. Logo, pelas obras é impossível o pecador se salvar; ele depende única e exclusivamente da maravilhosa graça de Deus para encontrará descanso eterno com Cristo no Céu (Mt.11:28-30).
  2. A divina graça incompreendida.Na época do apóstolo Paulo, e hoje também, muitos não compreenderam, nem compreendem, seus ensinamentos sobre a Graça de Deus. Por isso, ao longo da história da Igreja, dois extremos estiveram presentes acerca da compreensão da Graça:

a) Liberdade total para pecar (Rm.6:1,2).É bom saber que a liberdade do cristão está em Cristo Jesus, e isso exclui qualquer ideia de que de alguma maneira possa significar liberdade para pecar. Não devemos nunca transformar a liberdade numa base de operações para a natureza carnal. Portanto, a liberdade proporcionada por Cristo não é uma liberdade para o crente fazer o que quer, mas para fazer o que deve. Exorta-nos o apóstolo Paulo:

“E, libertados do pecado, fostes feitos servos da justiça. Falo como homem, pela fraqueza da vossa carne; pois que, assim como apresentastes os vossos membros para servirem à imundícia e à maldade para a maldade, assim apresentai agora os vossos membros para servirem à justiça para a santificação. Porque, quando éreis servos do pecado, estáveis livres da justiça. E que fruto tínheis, então, das coisas de que agora vos envergonhais? Porque o fim delas é a morte. Mas, agora, libertados do pecado e feitos servos de Deus, tendes o vosso fruto para santificação, e por fim a vida eterna. Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna, por Cristo Jesus, nosso Senhor” (Rm.6:18-23).

b) a impossibilidade de receber tão valioso presente (Gl.5:4,5).A Graça é favor imerecido; e isto chega a ser um escândalo para os que não creem. Muitos entendem que para ser salvo por Deus é preciso dar algo em troca. Mas, não é o que fazemos para Deus que nos garante o Céu, e sim o que Deus fez por nós em Cristo Jesus. O Céu não é um prêmio que merecemos, mas uma oferta que recebemos; não é uma conquista das obras, mas um presente da graça de Jesus Cristo – “Pela graça sois salvos” (Ef.2:8). O crente salvo não confia em si mesmo, nas suas obras para a sua salvação. Se para ser salvo as obras tivessem algum valor creditório, então, certamente, isto levaria o crente ao orgulho espiritual (Ef.2:8-10) e geraria toda sorte de comportamentos hipócritas, como foram os escritas e fariseus legalistas à época de Cristo (Mt.23:23). Portanto, buscar a salvação pelas obras é desligar-se de Cristo e decair da Graça. Não há salvação para aqueles que tentam alcançar o favor de Deus por meio das obras, de atitudes legalistas. Afirma o apóstolo Paulo: “Porque pela graça sois salvos, por meio da fé…Não vem das obras, para que ninguém se glorie” (Ef.2:8,9).

  1. Deixe-se presentear pela Graça. Sem qualquer mérito humano, mas unicamente pela sua Graça, Deus quis prover um meio de salvar o ser humano. E proveu. E a Graça salvadora de Deus, que é inesgotável, envolve todo o mundo e oferece oportunidade a toda humanidade de escapar da justa e inevitável condenação – “Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna, por Cristo Jesus, nosso Senhor”(Rm.6:23). E porque é o “Deus de toda a graça”, conforme está escrito em 1Pedro 5:10, ele “…quer que todos se salvem e venham ao conhecimento da verdade”(1Tm.2:4). Os que compreendem esse favor inefável de Deus, mediante sua Graça, devem deixar-se presentear por ela. Quem compreende o que significa ser justificado por Deus se permite embalar nos braços de amor e de perdão do Pai.

Somos pecadores, precisamos nos arrepender e mudar de vida, precisamos reconhecer que valemos menos que nada e que não merecemos a salvação; todavia, não podemos nos prostrar diante destas realidades; devemos, sim, ao revés, sermos profundamente felizes porque o Senhor teve misericórdia de nós e tomou o nosso lugar na cruz do Calvário e, agora, devemos viver alegres no Senhor. Para os filhos de Deus, cônscios do valor da Graça do Pai, tudo é dádiva Sua, tudo é favor imerecido. Portanto, deixe-se presentear pela graça de Deus!

CONCLUSÃO

Ninguém poderá ser salvo pelas obras e boas ações, ou por tentar guardar os mandamentos de Deus. Para sermos salvos precisamos receber a provisão divina da salvação (Ef.2:4,5), ser perdoados do pecado (Rm.4:7,8), ser espiritualmente vivificados (Cl.1:13), ser feitos novas criaturas (Ef.2:10; 2Co.5:17) e receber o Espírito Santo (João 7:37-39; 20:22). Nenhum esforço de nossa parte poderá realizar essas coisas. O que opera a salvação é a Graça de Deus mediante a Fé (Ef.2:5,8). Devemos diligentemente desejar e buscar a maravilhosa Graça de Deus (Hb.4.16).



O conteúdo e as opiniões expressas são de inteira responsabilidade de seu autor.

Rádio Online

Ouça

Cadastro

Cadastre-se e receba as últimas novidades do Portal AD Alagoas.

Correspondente

Interaja com o Portal AD Alagoas e envie sugestões de matérias, tire suas dúvidas, e faça parte do nosso conteúdo.

participe »
Lições Bíblicas
Estudos Bíblicos
Correspondente - Enviar Matéria

Igreja Evangélica Assembleia de Deus - Templo Sede
Av. Moreira e Silva, nº 406, Farol

 

Horário de Cultos

Aos Domingos 09:00h - Escola Dominical

Aos Domingos 18:30h - Culto Evangelístico

As Terças-feiras 18:30h - Culto de Doutrina

As Quarta-feiras 10:00h as 17hs - Círculo de Oração

As Sextas-feiras 18:30h - Culto de Oração

Facebook Twitter Siga-nos nas Redes Sociais