Siga-nos nas redes sociais Facebook Twitter Instagram

AD Alagoas / Lições Bíblicas

31/12/2021

Lição 1 – A AUTORIDADE DA BÍBLIA

Comentário da lição bíblica para o fim de semana com Pr. Jairo Teixeira Rodrigues


Estamos dando início, pela graça de Deus, a mais um ano letivo da Escola Bíblica Dominical e iniciando um novo ciclo de sete anos, o que significa dizer que estamos começando um novo currículo da Escola Bíblica Dominical.

Ler e compreender a Bíblia é um desafio. Neste trimestre, vamos enfrentá-lo. Esta lição nos ajudará a reconhecer a Supremacia da Bíblia na fé cristã, sua autoridade, inspiração e Inerrância, e aplicá-la a vida cristã.

A cada sete anos, a Casa Publicadora das Assembleias de Deus tem lançado um currículo, estabelecendo os temas a serem estudados por todas as faixas etárias, com exceção dos jovens e dos adultos, faixas em que não há uma pré-fixação de temas, mas uma retomada, a cada sete anos, dos principais assuntos que devem ser aprofundados no estudo da sã doutrina.

Neste novo ciclo, muito oportuno iniciarmos o estudo da Palavra de Deus pela Bibliologia, ou seja, a doutrina da Bíblia, pois estamos na Escola BÍBLICA Dominical, já que a Bíblia Sagrada é a base e o fundamento de todos os nossos estudos.

Vivemos dias difíceis, o princípio das dores, onde, como não poderia deixar de ser, a Palavra de Deus é duramente atacada, porque é ela a Palavra de Deus e o “espírito do Anticristo” tem como missão se levantar contra tudo o que se chama Deus ou se adora” (II Ts.2:4) e as Escrituras são o próprio testemunho do Senhor (Jo.5:39), motivo pelo qual é ela alvo prioritário dos ataques do inimigo.

Deste modo, voltarmos a estudar a Bíblia, compreender porque ela é a Palavra de Deus e como deve ela ser interpretada e qual é a sua estrutura se mostra como apropriado meio de iniciarmos um novo currículo da EBD.

O título do trimestre já mostra o lugar e o papel que as Escrituras devem desempenhar em nossa vida espiritual, em nossa peregrinação terrena.

A supremacia das Escrituras” indica que a Bíblia está num lugar supremo e é este sim o lugar que deve a Palavra de Deus ter em nossas vidas e em nossa fé.

 O próprio Deus diz que pôs a Sua Palavra acima do Seu próprio nome (Sl.138:2) e que vela pela Sua Palavra para a cumprir (Jr.1:12), de modo que não podemos, pois, de forma alguma, deixar de reconhecer que a Palavra de Deus é o norte de nossas vidas, o que devemos seguir, pois, em o fazendo, certamente estaremos realizando a vontade do Senhor.

A capa da nossa revista apresenta uma Bíblia aberta, um livro que está iluminado por raios que vêm do alto, havendo na capa, acima da Bíblia luz e abaixo dela trevas.

Esta ilustração, por primeiro, mostra-nos que o livro escrito, a obra literária não tem autoria humana. Ela é inspirada por Deus, que é a luz representada na figura, pois Deus é luz (I Jo.1:5).

A Bíblia não é uma obra humana, mas, sim, divina. Ela É a Palavra de Deus, a revelação de Deus ao homem. Por isso, o Senhor Jesus disse que ela é a verdade (Jo.10:10), a fiel testemunha do próprio Cristo (Jo.5:39), Ele próprio a Verdade (Jo.14:6).

A própria Bíblia diz que os homens que a escreveram o fizeram por inspiração do Espírito Santo (II Pe.1:21).

A origem divina das Escrituras jamais pode ser esquecida e quando verificamos tal verdade afastamos diversas ideias equivocadas, como a de que a Bíblia é fruto da Igreja, como defendem, por exemplo, os romanistas.

Mas, além de ter origem divina, vemos que a Bíblia se tornou um livro, ou seja, é, sob este aspecto, também uma obra humana, pois quis Deus que a Sua mensagem revelada fosse escrita por seres humanos.

Por isso mesmo, embora seja a revelação divina, a Bíblia foi escrita durante cerca de 1.500 a 1.600 anos, por mais de 40 pessoas, que viveram em épocas, lugares e circunstâncias completamente diferentes, mas que construíram uma obra única e completa. Desde quando Moisés iniciou sua redação, no deserto de Midiã, cuidando das ovelhas de seu sogro, até o apóstolo João, preso, na ilha de Patmos, vamos ver o mesmo Espírito Santo inspirando os escritores que, cada um na sua individualidade, escreviam a mensagem que Deus lhe dava.

Neste ponto, pois, vemos que a Bíblia é um livro divino-humano, até porque seu assunto principal, que é o Senhor Jesus, é o Deus-homem.

Mas a capa nos mostra que a Bíblia vem da luz e é iluminada e é por meio dela que podemos ter acesso a esta luz, a esta iluminação.

Sem a Bíblia, temos as trevas da parte inferior da capa, porque a Bíblia é lâmpada para os nossos pés e luz para o nosso caminho (Sl.119:105). As Escrituras testificam-nos de Jesus, que é a luz do mundo (Jo.8:12).

O comentarista deste trimestre é o pastor Douglas Roberto de Almeida Baptista, líder da Assembleia de Deus da Missão do Distrito Federal e presidente da Comissão de Educação e Cultura da Convenção Geral das Assembleias de Deus, que foi o relator da Comissão Especial que elaborou a Declaração de Fé das Assembleias de Deus e que já tem, há alguns anos, comentado as Lições Bíblicas.

Que ao término do estudo deste trimestre, possamos ter reafirmado, em nossos corações, a convicção de que a Bíblia é a Palavra de Deus e que, com conhecimento de causa, possamos repetir o item 1 do Cremos de nossa Declaração de Fé: “ Cremos na inspiração divina, verbal e plenária da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé e prática para a vida e o caráter cristão”.

INTRODUÇÃO

- Iniciando não só um novo ano letivo, mas um novo currículo de EBD, estaremos a estudar a Bibliologia – a doutrina da Bíblia.

- A Bíblia é a Palavra de Deus

I – A ORIGEM DA BÍBLIA ESTÁ EM DEUS

- Estamos dando início a mais um ano letivo da Escola Bíblica Dominical, dando início a um novo ciclo de sete anos, com um novo currículo da Casa Publicadora das Assembleias de Deus.

- Este início começa pelo estudo da Bibliologia, ou seja, a doutrina da Bíblia, até porque é a Bíblia o livro que estudamos na Escola BÍBLICA Dominical.

- O primeiro item de nossa Declaração de Fé fala da nossa crença na Bíblia Sagrada, de sua autoridade e ser ela a nossa única regra de fé e prática. A colocação desta crença no início de nosso “Cremos”  representou uma mudança em relação ao “Cremos” originariamente publicado desde 1969 no jornal “O Mensageiro da Paz”, onde era o segundo item, exatamente para que não haja qualquer dúvida de que, como herdeiros da Reforma Protestante, consideramos que “Só as Escrituras têm autoridade absoluta” (o chamado “Sola Scriptura”), também revelando que toda e qualquer “declaração de fé” não tem qualquer valor “normativo”, mas tão somente a Bíblia Sagrada, que é a Verdade, a Palavra de Deus (Jo.17:17).

- A Bíblia é a Palavra de Deus. Ela mesma assim se define e o cumprimento exato de tudo quanto nela está desde os primórdios da história da humanidade é a prova irrefutável de que ela é, sem sombra de dúvida, a Palavra de Deus, a revelação de Deus aos homens. Muitos têm tentado, ao longo dos séculos, levantar-se contra o Divino Livro, mas todos têm fracassado em seu intento de calá-la ou desacreditá-la, precisamente porque não se trata de uma obra feita pela mente, vontade ou imaginação humanas, mas tem sua origem, sua concepção e o zelo pelo seu cumprimento diretamente em Deus.

- No Sl.68:11a, é dito textualmente que “O Senhor deu a palavra”. Em Hb.1:1, o escritor afirma que o Senhor falou antigamente aos pais pelos profetas de muitas maneiras e uma destas maneiras foram as Escrituras, que compunham “a lei e os profetas” (Mt.7:12; 22:40), lembrando-se que “a lei” foi escrita por Moisés (Dt.31:24), sendo ele próprio, Moisés, um profeta (Dt.34:10).

- Mas o escritor aos hebreus não diz que eram divinas apenas as Escrituras que são o Antigo Testamento, mas, também, afirma que passou Deus a falar pelo Filho, que é o Verbo de Deus (Jo.1:1).

- Ora, o Filho já era revelado por intermédio das Escrituras do Antigo Testamento (Jo.5:39) e continuou a sêlo através do Novo Testamento, que é o registro determinado pelo Espírito Santo para tudo quanto Jesus ensinou (Jo.14:26; II Pe.3:16,17), Palavra esta que é a verdade e nossa fonte de santificação (Jo.17:17), pois, desde a antiga aliança, o Senhor utilizava do escrito para memória do que havia dito (Ex.17:14a).

- Não se tem, portanto, dúvida alguma de que a Bíblia provém diretamente de Deus, é a revelação do próprio Deus ao homem e, por isso, estamos diante da Palavra de Deus. É interessante notar que nenhum outro livro sagrado das diversas religiões que existem sobre a face da Terra tem esta qualidade. Embora se digam sagrados e frutos de revelações, jamais tais livros se apresentam como sendo a revelação do próprio Deus ao homem, como tendo origem no próprio Deus.

- O que mais se aproxima disto é o Corão, o livro sagrado muçulmano que, porém, segundo a crença islâmica, foi revelado a Maomé pelo anjo Gabriel e depois que ele teria descido do céu num instante anterior. Tratar-se-ia, pois, de uma revelação mediada por um anjo, indireta, algo bem diferente daquilo que Deus efetivamente fez, quando revelou a Sua Palavra aos homens através da Bíblia Sagrada. Além do mais, o Corão foi redigido posteriormente à morte de Maomé por pessoas que teriam “decorado” seu teor, ou seja, é um livro dependente da memória humana, algo muito diverso da Bíblia, que é a revelação do próprio Deus.

- Em Jr.1:12, o profeta relata uma visão que teve de uma vara de amendoeira. A amendoeira é a primeira árvore a florescer na Palestina, daí porque seu nome em hebraico, “saqued” (שקד ,(ser um derivado da palavra “despertar”.

- A amendoeira seria, então, uma “árvore desperta”, uma “árvore vigilante”, simbolizando a “prontidão”. Isto nos fala que a Bíblia é a Palavra de Deus porque somente em Deus o querer é o efetuar (Fp.2:13) e, portanto, somente Deus pode falar e o que foi falado se cumprir sem que nada necessite ser feito além do próprio pronunciar e Deus no-lo prova através da própria criação. Por isso, podemos dizer, como afirmava o saudoso pastor Severino Pedro da Silva, que foi membro da Academia Brasileira Evangélica de Letras e da Casa de Letras Emílio Conde, “nem todos os homens cumprem a Palavra de Deus, mas ela se cumpre na vida de todos os homens”.

- A amendoeira, também, simbolizava em Israel a “redenção”, uma vez que, por ser a primeira árvore a florescer, era o primeiro sinal do retorno da vida, na primavera, após o rigoroso inverno, que dava a impressão  de que a vida havia findado. Ao comparar a Palavra como a amendoeira para o profeta, portanto, Deus também nos indica que a Bíblia é a Palavra de Deus, pois só Deus pode dar a vida, só Deus pode conceder vida ao homem (I Sm.2:6). Também nesta expressão divina ao profeta notamos uma perfeita identificação entre a Palavra de Deus e Cristo, que também afirma ser fonte de vida eterna (Jo.1:4; 4:14; 5:26).

- A amendoeira, por fim, também simbolizava a pressa, já que era a primeira árvore a florescer na primavera.

Esta pressa significa a impossibilidade de haver obstáculos para o cumprimento da Palavra, bem como a prioridade absoluta que ela assume ante os desígnios divinos. A Bíblia, assim, mostra ser algo que é levado em primeiro lugar, que ocupa o primeiro plano da vontade de Deus, a ponto, inclusive, de o salmista ter dito que Deus a pôs acima d’Ele próprio (Sl.138:2).

- O desígnio divino revelado ao profeta é a de que Ele vela pela Sua Palavra para a cumprir, é esta a sua prioridade. Deus tem um compromisso inquebrantável com a Sua Palavra e, assim como a amendoeira é a primeira árvore a florescer, também a Palavra de Deus é a primeira a produzir seus frutos na ordem estabelecida pelo Senhor. Por isso, não se pode, em absoluto, ter outra atitude, enquanto servos de Deus, senão a de pôr a Palavra como única regra de fé e prática nas suas vidas.

- Ninguém pode impedir o cumprimento da Palavra de Deus e, como ela é soberana, engrandecida pelo próprio Deus acima de Seu próprio nome, vemos que nada poderá impedir a ação divina de cumprimento da Sua Palavra (Is.43:13 “in fine”). Desta forma, devemos ter plena consciência de que tudo que está escrito se cumprirá e que nós, como conhecedores desta Palavra, devemos sempre obedecer a ela e, assim, alcançados pelas bênçãos e promessas que ela contém.

- Por fim, ainda sobre a visão tão elucidativa de Jeremias, vemos que Deus mostrou ao profeta “uma vara de amendoeira”, e “vara”, como sabemos, indica orientação, direção, julgamento.

- A Palavra de Deus é um guia para o homem, é a seta que indica a Cristo, o caminho que conduz à vida eterna. A Palavra, respeitando o livre-arbítrio humano, aponta qual deve ser o Caminho e nós o seguimos, ou não, conforme a nossa própria vontade. No entanto, a Palavra é “uma vara de amendoeira”, ou seja, ela nos julgará pela decisão que tomamos em relação a ela, um julgamento que é, como a amendoeira, pronto, prioritário e que não poderá ser impedido por ninguém (Jo.12:48).

- Quando verificamos estas passagens bíblicas, vemos, pois, que as Escrituras têm em Deus a sua origem, a sua fonte e, portanto, não podemos, de forma alguma, pôr a Bíblia no mesmo nível de tudo quanto foi criado pelo homem.

- Se a Bíblia tem origem no próprio Deus e é Deus quem diz que a engrandeceu a ponto de a ter posto acima de Seu nome, como podemos querer comparar a Bíblia com as invencionices humanas? Como podemos querer julgar a Bíblia pelo que o homem tem produzido seja no campo filosófico, científico, tecnológico, artístico, religioso ou mitológico?

II – EVIDÊNCIAS DA AUTENTICIDADE DA BÍBLIA

1. Evidências Internas. A palavra “ autenticidade” tem origem no grego authentês como significado daquilo que é “ verdadeiro”. Quando aplicado às Escrituras, o termo indica a autoridade da Bíblia. Nesse sentido, a Bíblia autentica a si mesma (2 Tm 3.16).

a) Unidade e consistência: No período aproximado de 1.600 anos, a Bíblia foi escrita em dois idiomas principais e um dialeto, por cerca de quarenta pessoas de diferentes classes sociais, em lugares e circunstâncias distintas que abordaram centenas de temas. Apesar de todas essas implicações, o conteúdo bíblico é consistente e os seus escritos se harmonizam formando um todo sem qualquer contradição (Sl 18.30; 33 -4 )

b) Ação do Espírito Santo: Por meio da leitura da Bíblia é possível ouvir a voz de Deus agindo como um a espada que “ penetra até à divisão da alma e do espírito” (Hb 4.12). Como os discípulos no caminho de Emaús, aquele que aceita a mensagem da Palavra experimenta a

chama do Espírito arder no coração e passa a compreender o plano da salvação (Lc 24.31,32).

c) Profecias de Eventos Futuros. A exatidão no cumprimento das profecias com prova a veracidade das Escrituras. As suas profecias foram anunciadas muito séculos antes dos eventos acontecerem com clareza e precisão. Entre tantos eventos, citam os o nascimento virginal de Cristo (Is 7.14; Mt 1.23); sua morte na cruz (Sl 22.16; Jo 1936); o local da sua sepultura (Is 53.9; Mt 27.57-60); e sua ressurreição (Sl 16.10; Mt 28.6).

2. Evidências externas. Compreende-se como evidências externas aquelas em que os acontecimentos narrados nas Escrituras são também ratificados por outras fontes históricas. Por vezes, essas com provações se identificam e se fundem aos conceitos de Inerrância, isto é, que a Bíblia não contém erros. Nessa direção, tanto o registro da história das nações, as descobertas arqueológicas e os pressupostos da ciência apontam para a autenticidade da Palavra de Deus. E, a despeito de ser contestada por ateus e incrédulos, a Bíblia permanece como o livro mais traduzido e lido de toda a história (cf. Mc 13.31).

A Bíblia Sagrada autentica a si mesma, tendo sua veracidade confirmada por fonte.

Conclusão: O teólogo pr. Antônio Gilberto escreveu que “ o autor da Bíblia é Deus, seu real intérprete é o Espírito Santo, e seu tema central é o Senhor Jesus Cristo”. A Bíblia fornece-nos, ainda, o conhecimento essencial e indispensável à nossa comunhão com o Pai Celeste e com o nosso próximo. Assim sendo, não necessitamos de uma nova revelação extraordinária ou pretensamente canônica de uma nova revelação extraordinária ou pretensamente canônica para a nossa salvação e o nosso crescimento espiritual. Que nesse novo ano, que ora iniciamos, a Palavra de Deus, volte a ser SUPREMA, em nossas vidas, em nossas igrejas, só assim, voltaremos a ter uma igreja sadia para gloria de Deus e preparada para o arrebatamento. Amém. FELIZ ANO NOVO COM JESUS!



O conteúdo e as opiniões expressas são de inteira responsabilidade de seu autor.

Rádio Online

Ouça

Cadastro

Cadastre-se e receba as últimas novidades do Portal AD Alagoas.

Correspondente

Interaja com o Portal AD Alagoas e envie sugestões de matérias, tire suas dúvidas, e faça parte do nosso conteúdo.

participe »
Lições Bíblicas
Estudos Bíblicos
Correspondente - Enviar Matéria

Igreja Evangélica Assembleia de Deus - Templo Sede
Av. Moreira e Silva, nº 406, Farol

 

Horário de Cultos

Aos Domingos 09:00h - Escola Dominical

Aos Domingos 18:30h - Culto Evangelístico

As Terças-feiras 18:30h - Culto de Doutrina

As Quarta-feiras 10:00h as 17hs - Círculo de Oração

As Sextas-feiras 18:30h - Culto de Oração

Facebook Twitter Siga-nos nas Redes Sociais