Siga-nos nas redes sociais Facebook Twitter Instagram

AD Alagoas / Lições Bíblicas

16/10/2021

LIÇÃO 03 – A CONVERSÃO DE SAULO DE TARSO

Comentário da Lição Bíblica para o fim de semana com Pr. Jairo Teixeira Rodrigues


(At 9.1-9)

INTRODUÇÃO

Ao se encontrar com Jesus Cristo no caminho para Damasco, Saulo teve a sua vida completamente regenerada. A sua faculdade intelectual foi regenerada, pois seu encontro com o Senhor trouxe-lhe luz à mente. Sua faculdade emocional foi afetada, pois ao longo da vida do apóstolo, vemos sua profunda tristeza em perseguir seus irmãos em Cristo. E, finalmente, a faculdade de sua vontade foi tocada.

O apóstolo desejava apenas desgastar-se e deixar-se gastar pela causa do Evangelho. Assim, nada mais teria sentido para Paulo, senão, o de pregar o Cristo Crucificado.

Que o Espírito Santo possa tocar nas faculdades intelectual, emocional e da vontade dos nossos alunos. Ore por isso. Clame por essa obra do céu. Nesta lição estudaremos sobre uma das mais importantes conversões da história, a de Saulo de Tarso. As principais lições que podemos aprender sobre a sua conversão a Cristo.

I – DEFINIÇÃO DA PALAVRA CONVERSÃO

1-De acordo com Houaiss (2001, p. 827): conversão é: “o ato ou efeito de converter-se; transformação de uma coisa, de um estado, de uma forma etc., em outra”. No Antigo Testamento encontramos o termo hebraico: “shuv” que significa: “girar ou voltar”, que é usado tanto em ações físicas (2Rs 2.13), quanto morais e espirituais(1Rs 8.35; 2Cr 7.14; Pv 1.23; Is 59.20; Jl 2.12,14) (CHAMPLIN, 2004, p. 892). Já no Novo Testamento o equivalente para conversão é o substantivo: “epistrophe” que quer dizer: “virada de um lado para o outro ou em volta, conversão”, que aparece uma única vez no NT (At 15.3) (VINE, 2002, p. 508 - acréscimo nosso); de acordo com Tenney(2008, vol 1, p. 1147). A conversão religiosa, diz respeito a desviar-se do pecado e voltar-se para Deus; a palavra implica em: “virada de e virada para”, correspondendo a arrependimento e fé (1Ts 1.9) (VINE, 2002, p. 508).

2-Do ponto de vista teológico, conversão é à mudança que Deus opera na vida do que aceita a Cristo com o seu Salvador pessoal, modificando radicalmente a maneira de ser, pensar e agir (ANDRADE, 2006, p. 115). A conversão e o arrependimento andam juntos (At 3.19; 26.20). Enquanto o arrependimento se refere à mudança total do sentimento do homem e à sua nova atitude para com Deus, a conversão expressa a nova posição para com o mundo, e representa, nesse sentido, uma mudança de situação: o homem que vinha andando no caminho largo para a perdição, muda repentinamente a direção e passa a andar no caminho estreito para o céu (Mt 7.13,14; Lc 13.24,25) (BERGSTEN, 2016, pp. 171,172). Com isso em vista, não podemos confundir conversão com regeneração, embora andem de mãos dadas, possuem aspectos diferentes, como afirma Gilberto (2008, p. 361 - grifo nosso): “regeneração é o ato interior da conversão, efetuada na alma pelo Espírito Santo. Conversão é mais o lado exterior e visível da regeneração. Uma pessoa verdadeiramente regenerada pelo Espírito Santo é também convertida” (Lc 22.32). Enquanto a regeneração enfatiza o nosso interior, a conversão, o nosso exterior. Quem diz ser regenerado deve demonstrar isso no seu dia-a-dia. É o que exatamente aconteceu de forma exemplificada na vida de Saulo.

II – DOUTRINA DA CONVERSÃO

  1. A conversão começa no arrependimento. A palavra “arrepender-se” no grego bíblico é “metanoeõ”, que significa “pensar de maneira diferente; sentir remorso”, uma disposição interior para mudar.

No Novo Testamento, “arrepender-se” traz a ideia de tristeza pelos próprios pecados, acompanhada de um desejo de corrigir o rumo. É a mudança na mente que induz à correção de caráter e de conduta moral (At 3.19); é a contrição do coração, o desejo de mudar de atitude quanto ao comportamento na vida cotidiana (Lc 15.10). Isso é obra do Espírito Santo (Jo 16.7,8). Portanto, a conversão é uma parte do processo de salvação do pecador. Ela assinala o início do despojamento do “velho homem” (Ef 4.22) e aponta para o revestimento do novo homem (Ef 4.24).

  2. A conversão de Saulo promoveu uma transformação pessoal. Foi o que aconteceu com Saulo, pois a luz do resplendor do céu cegou-lhe os olhos carnais e o fez ver o Cristo ressuscitado, abrindo-lhe os olhos espirituais para conhecê-lo como Senhor e Salvador (9.3). Essa experiência sobrenatural e impactante o fez indagar ao Cristo ressuscitado sobre o que deveria fazer. De uma vontade egoísta e individualista, Saulo demonstra agora completa resignação à vontade soberana de Cristo (9.6). Sobre a conversão de Saulo “Os versículos 3-9 [Atos 9] registram a conversão de Paulo fora da cidade de Damasco (cf. 22.3-16; 26.9-18). Que sua conversão ocorreu nessa ocasião, e não posteriormente na casa de Judas (v.11), fica claro à luz do seguinte: (1) Ele obedece às ordens de Cristo […]; Paulo é chamado ‘Irmão Saulo’ por Ananias […].” Para ler mais, consulte a “Bíblia de Estudo Pentecostal”, editada pela CPAD, pp.1648-49. “A regeneração tem lugar naquele que se arrepende dos seus pecados, volta-se para Deus (Mt 3.2) e coloca a sua fé pessoal em Jesus Cristo como seu Senhor e Salvador […]. A regeneração envolve a mudança da velha vida de pecado em uma nova vida de obediência a Jesus Cristo (2 Co 5.17; Cl 3.10). Aquele que realmente nasceu de novo está liberto da escravidão do pecado […], e passa a ter desejo e disposição espiritual de obedecer a Deus e de seguir a direção do Espírito (Rm 8.13,14). Vive uma vida de retidão (1 Jo 2.29), ama aos demais crentes (1 Jo 4.7), evita uma vida de pecado (1 Jo 3.9; 5.18) e não ama o mundo (1 Jo 2.15,16)” (Bíblia de Estudo Pentecostal. Rio de Janeiro: CPAD, 1995, p.1576).

III – FACULDADES INTERIORES TRANSFORMADAS NA CONVERSAO

Quando damos ouvidos a voz do Espírito Santo e nos rendemos a Cristo, Ele transforma o nosso modo de pensar, os nossos sentimentos e os nossos desejos. A transformação operada pelo Espírito Santo não é apenas estética ou mudanças de hábitos em público. Ele opera uma profunda transformação em todo o nosso ser, mudando as três faculdades do nosso interior: intelectual, emocional e da vontade.

1. Faculdade intelectual. Deus criou o ser humano perfeito e sem maldade, e com liberdade de escolha. Mas, com a entrada do pecado no mundo, a natureza humana foi corrompida. A forma de pensar do homem também foi afetada. Logo no início do Livro do Gênesis vemos o pensamento humano se voltando para o mal. Caim pensou mal a respeito do seu irmão e o matou. Ninrode pensou em edificar uma cidade e torre que chegasse até os céus e não se espalhar sobre a terra, contrariando a vontade de Deus.

O intelecto humano, sem a ação do Espírito Santo, é essencialmente mal. Muitas religiões sugerem que o homem sida o seu pensamento. Mas, isso é um grande erro. O homem, de si mesmo, não pensa coisas boas. Se vivêssemos em uma anarquia, onde cada um pudesse fazer o que bem entendesse, seria um caos. Deus falou através do profeta Isaías: “Porque os meus pensamentos não são os vossos pensamentos, nem os vossos caminhos, os meus caminhos, diz o Senhor.” (Is 55.8). Em Jeremias 17.9 lemos: “Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e desesperadamente corrupto; quem o conhecerá?”.

Quando o homem passa a ter o conhecimento do pecado, através da pregação da Palavra de Deus e se rende a Cristo, o Espírito Santo transforma os seus pensamentos e ele reconhece a sua condição de miserável pecador. A partir desta transformação, o homem passa a ter a mente de Cristo.

2. Faculdade das emoções. Assim como acontece com o pensamento humano, as suas emoções também foram afetadas pelo pecado. O homem longe de Deus tem sentimentos carnais, egoístas e malvados. O homem carnal odeia, deseja mal, inveja, cobiça e não sente nenhuma tristeza pelos pecados cometidos. Quando o Espírito Santo passa a morar em nós, Ele transforma os nossos sentimentos e passamos a amar, desejar o bem e não cobiçar as coisas alheias.

Escrevendo aos Gálatas, no capítulo 5, a partir do versículo 16, Paulo faz um paralelo entre as obras da carne e o Fruto do Espírito Santo: “Digo, porém: Andai em Espírito e não cumprireis a concupiscência da carne.” Paulo diz que há um combate entre a carne e o Espírito, e faz uma relação de comportamentos que são obras da carne e uma lista de nove virtudes que compõem o Fruto do Espírito. As obras da carne relacionadas aos sentimentos são as inimizades, porfias (contendas), emulações (ciúmes), iras, pelejas, dissensões, invejas e homicídios.

O Espírito Santo transforma estes sentimentos carnais, produzindo no crente: amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão, domínio próprio. Com estes novos sentimentos, passamos a ser uma nova pessoa.

3. Faculdade da vontade. O homem é um ser dotado de vontade e Deus lhe concedeu o livre-arbítrio para escolher o que fazer. Com o pecado, esta vontade também foi deturpada e o homem passou a se afastar da vontade de Deus e fazer os desejos da sua natureza corrompida. Partindo deste princípio, os calvinistas ensinam que o homem perdeu também a capacidade de exercer a sua vontade. Entretanto, não é isso que a Bíblia ensina. O Espírito Santo trabalha no intelecto humano e em seus sentimentos, para levá-lo a reconhecer-se como pecador, que necessita de salvação. Mas a decisão de fazer ou não a vontade de Deus, continua sendo do homem. Se ele decidir abandonar a sua própria vontade carnal e fazer a boa, agradável e perfeita vontade de Deus, então, o Espírito Santo faz uma transformação na vontade humana e ele passa a querer fazer aquilo que agrada a Deus.

Em vários textos bíblicos, encontramos Deus colocando diante do ser humano a decisão:

“Os céus e a terra tomo hoje por testemunhas contra vós, de que te tenho proposto a vida e a morte, a bênção e a maldição; escolhe pois a vida, para que vivas, tu e a tua descendência.” (Dt 30.19);

“Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo, e tome cada dia a sua cruz, e siga-me.” (Lc 9.23);

“...E quem tem sede venha; e quem quiser tome de graça da água da vida. (Ap 22.17c). Então, o Espírito Santo convence o ser humano, de que ele deve fazer a vontade de Deus e o capacita para isso, mas, Ele não decide por nós. Se decidirmos receber o perdão de Deus e servi-lo, aí sim, Ele muda as nossas vontades e nos coloca em sintonia com a vontade de Deus.

CONCLUSÃO:

A regeneração é a nova criação e transformação da pessoa (Rm 12.2; Ef 4.23,24) efetuadas por Deus e o Espírito Santo (3.6 [João]). Por esta operação, a vida eterna da parte do próprio Deus é outorgada ao crente (3.16; 2 Pe1.4; 1 Jo 5.11), e este se torna um filho de Deus (1.12; Rm 8.16,17; Gl 3.26) e uma nova criatura (2 Co 5.17; Cl 3.10). Já não se conforma com este mundo (Rm 12.2), mas é criado segundo Deus ‘em verdadeira justiça e santidade’ (Ef 4.24). A regeneração é necessária porque, à parte de Cristo, todo ser humano, pela sua natureza inerente e pecadora, é incapaz de obedecer a Deus e de agradar-lhe (Sl 51.5; 58.3; Rm 8.7,8; 5.12; 1 Co 2.14)” (Bíblia de Estudo Pentecostal. Rio de Janeiro: CPAD, 1995, p.1576).



O conteúdo e as opiniões expressas são de inteira responsabilidade de seu autor.

Rádio Online

Ouça

Cadastro

Cadastre-se e receba as últimas novidades do Portal AD Alagoas.

Correspondente

Interaja com o Portal AD Alagoas e envie sugestões de matérias, tire suas dúvidas, e faça parte do nosso conteúdo.

participe »
Lições Bíblicas
Estudos Bíblicos
Correspondente - Enviar Matéria

Igreja Evangélica Assembleia de Deus - Templo Sede
Av. Moreira e Silva, nº 406, Farol

 

Horário de Cultos

Aos Domingos 09:00h - Escola Dominical

Aos Domingos 18:30h - Culto Evangelístico

As Terças-feiras 18:30h - Culto de Doutrina

As Quarta-feiras 10:00h as 17hs - Círculo de Oração

As Sextas-feiras 18:30h - Culto de Oração

Facebook Twitter Siga-nos nas Redes Sociais