Siga-nos nas redes sociais Facebook Twitter Instagram

AD Alagoas / Lições Bíblicas

05/06/2021

Lição 10- O Ministério de Mestre ou Doutor

Comentário da lição Bíblia para o fim de semana com o Pr. Jairo Teixeira Rodrigues


2 Tm 2:2

E o que de mim, entre muitas testemunhas, ouviste, confia-o a homens fiéis, que sejam idôneos para também ensinarem os outros”.

INTRODUÇÃO:

Nessa lição estamos falando de ministério Mestre ou doutor, ministério esse que é acompanhado por sinais, prodígios e maravilhas, como era normal na vida dos primeiros mestres. Vemos na reunião em Antioquia que os mestres, ou doutores, eram homens de jejum, oração e ouviam diretamente a voz do ESPÍRITO SANTO.

"E na igreja que estava em Antioquia havia alguns profetas e doutores, a saber: Barnabé e Simeão chamado Níger, e Lúcio, cireneu, e Manaém, que fora criado com Herodes o tetrarca, e Saulo. E, servindo eles ao Senhor, e jejuando, disse o ESPÍRITO SANTO: Apartai-me a Barnabé e a Saulo para a obra a que os tenho chamado". Atos 13:1,2.

Paulo foi um mestre por excelência, se autodenominava "doutor dos gentios" - "Para o que fui constituído pregador, e apóstolo, e doutor dos gentios". 2 Timóteo 1:11.

Os vocacionadas por Deus são por Ele chamados para edificar a Igreja. É uma tarefa árdua, mais necessária e gloriosa.

I - JESUS, O MESTRE POR EXCELÊNCIA

-JESUS, um doutor incomparável.(Mt 4:23).

-JESUS, um era reconhecido como Rabi.(Jo 3:1,2).

-JESUS, mesmo como um Mestre reconhecido, nunca deixou de ser humilde(Jo 13:4,4).

-O MESTRE, nas escrituras, tem o sentido de designar “uma pessoa que é superior às outras, em poder, autoridade, conhecimento ou em algum outro aspecto”. No hebraico, a palavra 'adon que dizer “soberano” ou “senhor”. A palavra “rab” designa um “professor comum”. Com relação a JESUS, foi usada a palavra “rabi” (cf. Jo 4.31), indicando que ele era um Mestre superior. As pessoas chamavam de “meu Mestre”, “meu Senhor”, a quem tinha esse título. JESUS recebeu esse tratamento diversas vezes (Jo 1.38,49; 3.2,26). Quando JESUS ressuscitou, Maria usou a palavra “Raboni?, quando o reconheceu. “Disse-lhe JESUS: Maria! Ela, voltando-se, disse-lhe: Raboni (que quer dizer Mestre)!” (Jo 20.16). Em seus ensinos, “O Senhor JESUS proibiu o uso deste termo entre os discípulos por causa do orgulho e da exaltação pessoal com que era utilizado entre os fariseus (Mt 23. 7,8).

-O significado literal de várias palavras gregas varia de "instrutor" ou didaskalos, como em Mateus 10.24, até "déspota" ou despotes, como em 1 Pedro 2.18. Outra palavra grega traduzida como "Mestre ", epistates, significa "alguém nomeado sobre" outros, como em Lucas 5.5. Ainda outra palavra grega é, na verdade, hebraica - "rabbi" que significa "meu Mestre " ("superior" ou "professor"), como em João 4.31. Uma quinta palavra grega para "Mestre " é kurios que geralmente foi traduzida como "senhor" ao longo de todo o NT e significa "supremo" (em autoridade). No sentido mais elevado, o título se aplica apenas ao Senhor JESUS. Ainda existem outras palavras gregas e hebraicas com diferentes aspectos de significado que foram traduzidas como "Mestre ". Duas palavras gregas para "Mestre " ocorrem em Mateus 23.8-10, "Vós, porém, não queirais ser chamados Rabi [rhabbi, "meu Mestre ", ou "professor"], porque um só é o vosso Mestre [kathegetes, "líder" ou "professor"], a saber, o CRISTO, e todos vós sois irmãos. E a ninguém na terra chameis vosso pai porque um só é o vosso Pai, o qual está nos céus. Nem vos chameis mestres [kathegetes, "líderes"], porque um só é vosso Mestre, que é o CRISTO".

Sendo assim, na autoridade e plenitude do ESPÍRITO SANTO só JESUS foi o Mestre por excelência, perfeito em seus ensinos. Depois veio a Igreja e entre seus 5 ministérios, o de Mestre (Ef 4.11).

II - A NECESSIDADE DE MESTRES NA IGREJA:

-Os bons mestres ou ensinadores são muito úteis às igrejas locais. Na maioria das vezes os pastores, assoberbados com as atividades administrativas, construindo templos, cuidando do patrimônio, em viagens pastorais, e tantas atividades, próprias dos que realmente trabalham em prol da obra do Senhor, não têm tempo de preparar estudos e mensagens substanciais, para alimentar a igreja local. E recorrem aos mestres ou ensinadores, para que lhes ajudem nessa imensa tarefa de edificar o rebanho. Somente ai se dá o devido valor ao Mestre. Raríssimas são as oportunidades dadas aos mestres nas igreja, hoje em dia.

A atividade primordial do Mestre, doutor ou ensinador é cuidar do ensino recebido sobrenaturalmente. É tão importante que a Bíblia requer que haja dedicação ao exercício desse dom. “...se é ministério, seja em ministrar; se é ensinar, haja dedicação ao ensino" (Rm 12.7). Imagine quantas horas de oração, estudo da Bíblia e de jejum o verdadeiro Mestre se entrega diariamente para poder exercer seu ministério. Talvez seja uma das grandes falhas em muitos ministérios, a falta de dedicação ao ministério de ensino. Há pessoas que querem ensinar sem o mínimo preparo para essa atividade. Nos tempos pós-modernos, mais do que nunca, existe a necessidade de bons ensinadores. Há questionamentos e problemas que não havia há alguns anos. E muitos pastores não estão preparados para dar respostas adequadas ao rebanho.

O avanço das ciências, das tecnologias, as questões da bioética, as mudanças rápidas no comportamento social provocam questões que exigem, não só o conhecimento bíblico e teológico, mas também secular. Além de tudo, a dependência do ESPÍRITO SANTO que sonda os corações revela as necessidades de cada um. 

1. Ensinemos por meio de palavras, pela força do exemplo. O ensino faz parte da Grande Comissão (ver Mt. 28:20).

2. Os dons espirituais existem para servir de auxílio no ministério do ensino, e o alvo de tudo é a maturidade espiritual, o crescimento e o aperfeiçoamento dos santos (ver Ef. 4:11 e ss).

3. Os verdadeiros mestres são dádivas divinas à igreja, para seu benefício (ver Ef. 4:11). E a revelação da palavra é dada especialmente aos mestres, a fim de que sejam eficazes em seu ministério (ver I Cor. 12:8).

4. O ensino tem um efeito edificador. Portanto, é importante, se a igreja tiver de ser edificada. O ensino é vital para esse propósito (Ef 4.12).

5. As Escrituras Sagradas nos foram transmitidas nessa forma escrita a fim de que o ministério do ensino fosse facilitado e se tomasse mais eficaz. São a base de qualquer ministério (At 2.42).

6. Acima de tudo o mais, CRISTO foi o Mestre Supremo. Se seguirmos o exemplo que nos deixou, sem dúvida haveremos de ensinar. Ensinava, pregava e curava (Mt 4.23). 

7. Se apenas houver evangelização e faltar o ensino cristão, a igreja terá de contentar- se com uma igreja infantil, carnal, com disputas e cisões. Um povo faminto espiritualmente, será um povo infeliz. Dai a importância do Mestre (Mt. 28:20).

-Ensinar é um belo dom, que o use e ocupe-se dele. “...se é ensinar, haja dedicação ao ensino”; assim alguns o complementam, ho didaskon, en te didaskalia.

Que ele seja regular, constante e diligente no ensino; que permaneça naquilo que é a sua própria função, e esteja nela como em seu ambiente natural (veja 1 Tm 4.15,16, onde isso é explicado por duas palavras: em toutois isthi e epimene autois, estar nessas coisas e continuar nelas). É função do Mestre aplicar as verdades e as regras do evangelho mais próximas à situação e à condição das pessoas e inculcar nelas aquilo que for mais prático. Se requer uma cabeça esclarecida e um coração aquecido. Gera edificação dividir o trabalho adequadamente e, qualquer que seja a tarefa de que nos encarregamos, vamos nos dedicar a ela. Cuidar do nosso trabalho é entregar o melhor de nosso tempo e pensamentos a ele, aproveitar todas as oportunidades para ele e não apenas refletir em como fazê-lo, mas fazê-lo bem.(HENRY. Matthew. Comentário Matthew Henry Novo Testamento ATOS A APOCALIPSE Edição completa. )

III - A IMPORTÂNCIA DO DOM DE ENSINAR:

-Talvez seja uma das grandes falhas em muitos ministérios, a falta de dedicação ao ministério de ensino. Há pessoas que querem ensinar sem o mínimo preparo para essa atividade. Nos tempos pós-modernos, mais do que nunca, existe a necessidade de bons ensinadores. Há questionamentos e problemas que não havia há alguns anos. E muitos pastores não estão preparados para dar respostas adequadas ao rebanho.

O avanço das ciências, das tecnologias, as questões da bioética, as mudanças rápidas no comportamento social provocam questões que exigem, não só o conhecimento bíblico e teológico, mas também secular. Além de tudo, a dependência do ESPÍRITO SANTO que sonda os corações revela as necessidades de cada um.

-Ensinar mediante o «exemplo» também é importante, embora se trate de um aspecto olvidado por tantos mestres cristãos. (Atos 12:25). Existe distinção entre «profetas» e «mestres», em Atos 13:1 e Ef. 4:11). A distinção é que os mestres, em sua inspiração imediata, lhes é permitido revelar alguma coisa nova, uma revelação da Palavra de DUS, por exemplo, de que ainda não se tinha conhecimento. que empresta autoridade àquilo que dizem.

Deveria tornar-se evidente, com base neste texto da epístola aos Romanos, que o ensino é um dom e ministério. E os crentes possuidores desse ministério deveriam procurar aprimorar-se na aplicação de sua chamada. O Mestre cristão deve também buscar pela inspiração do ESPÍRITO SANTO, para que o Senhor o guie em suas pesquisas e em seus pensamentos. O Mestre expõe aos seus ouvintes muitos tesouros, alguns antigos e outros novos, mas todos proveitosos e expressos de maneira tão convincente que podem transformar as vidas dos homens, porquanto as suas palavras podem ser usadas pelo ESPÍRITO de DEUS visando exatamente a essa função.

CONCLUSÃO:

Continuemos ensinando. O cristão cheio do ESPÍRITO é muito sensível ao que o ESPÍRITO SANTO. Aqui, a comunicação da parte do ESPÍRITO SANTO provavelmente foi uma palavra profética (cf. v. 1). Paulo, em muitas ocasiões, menciona que servia ao Senhor com lágrimas (At 13:1;20.19;). Nesse discurso diante dos anciãos de Éfeso (vv. 17-38), Paulo refere-se à admoestação que, com lágrimas, lhes dirigiu durante três anos (v. 31). As lágrimas não resultaram de fraqueza; pelo contrário, Paulo via a condição perdida da raça humana, a maldade do pecado, a distorção do evangelho e o perigo de rejeitar o Senhor, como coisas tão graves, que sua pregação era freqüentemente acompanhada de lágrimas. NADA... DEIXEI DE VOS ANUNCIAR”. Paulo pregava tudo que era útil ou necessário à salvação de seus ouvintes. O ministro do evangelho deve ser fiel ao anunciar toda a verdade de DEUS à sua congregação. Não deve procurar agradar aos desejos dos ouvintes, nem satisfazer o gosto deles, nem promover sua própria popularidade. Mesmo se tiver que falar palavras de repreensão e de reprovação, ensinar contrariamente a preconceitos naturais, ou pregar padrões bíblicos opostos aos desejos da natureza carnal; o pregador fiel entregará a verdade plena com AMOR ao rebanho (e.g., Gl 1.6-10; 2 Tm 4.1-5). Que Deus continue levantando Mestres e Doutores na igreja de hoje, pois cada dia a necessidade é urgente!



O conteúdo e as opiniões expressas são de inteira responsabilidade de seu autor.

Rádio Online

Ouça

Cadastro

Cadastre-se e receba as últimas novidades do Portal AD Alagoas.

Correspondente

Interaja com o Portal AD Alagoas e envie sugestões de matérias, tire suas dúvidas, e faça parte do nosso conteúdo.

participe »
Lições Bíblicas
Estudos Bíblicos
Correspondente - Enviar Matéria

Igreja Evangélica Assembleia de Deus - Templo Sede
Av. Moreira e Silva, nº 406, Farol

 

Horário de Cultos

Aos Domingos 09:00h - Escola Dominical

Aos Domingos 18:30h - Culto Evangelístico

As Terças-feiras 18:30h - Culto de Doutrina

As Quarta-feiras 10:00h as 17hs - Círculo de Oração

As Sextas-feiras 18:30h - Culto de Oração

Facebook Twitter Siga-nos nas Redes Sociais