27 de maio de 2019
Siga-nos nas redes sociais Facebook Twitter Instagram

Notícias » Capital

11/03/2019

Confira o estudo bíblico ministrado pelo Rev. José Orisvaldo Nunes no CONJOAAD 2019

O ministro fala sobre o trabalho dos militantes do evangelho em meio a um cativeiro cultural


Leitura do texto Jz 2;10-13 / Sl 11;3

  I.  INTRODUÇÃO

1.  O 1º texto é um dos textos mais tristes da bíblia. Uma geração chamada de povo de Deus; fora antecedida por uma geração que viu proezas, porem esta (geração) foi absorvida pela cultura, sua fé, seus fundamentos, foram abalados a tal ponto que o texto trás 3 veredictos:

1)  Geração que não conhecia a Deus

2)  Geração que não conhecia o que Deus tinha feito

3)  Geração que fazia o que era mau aos olhos do Senhor

2.  Essa é a maior tragédia que pode acontecer ao povo de Deus. É carregarmos só o título, mas na prática, sermos absorvidos pela cultura, pela ideologia do mundo de tal forma:

1)  Sermos absorvidos. Nos moldarmos no molde  cultural do mundo

2)  Perdermos fundamentos que antes eram inegociáveis, mas agora, relativizados

3)  Sermos ignorantes acerca de Deus, de nós mesmos e pecarmos tanto quanto o mundo

3.  Quando se fala em mundo, posso afirmar que desde o pecado entrou no mundo há uma inimizade entre os preceitos de Deus e do mundo, princípios de Deus e do mundo. Há um antagonismo nível natureza. Há uma cosmovisão que impera no mundo que é:

1)  Antropocêntrica

2)  Hedonista

3)  Materialista

4)  Relativista

5)  RELIGIÃO E CIÊNCIA SÃO ANTAGÔNICOS

6)  RAZÃO E FÉ SÃO ANTAGÔNICOS. VOCÊ NÃO PODE SER CIENTÍFICO E AO MESMO TEMPO RELIGIOSO

4.  Por conta desse relativismo moral, alguns conceitos outrora, muito definidos, muito claros, parecem que adentraram em um limbo

1)  Certo X Errado

2)  Liberdade de expressão

3)  Verdade

4)  Tolerância / intolerância

5)  Mídia ideológica. Qual seria o real papel da imprensa? Informar ou doutrinar?

6)  Ideologias mascaradas de ciência ensinadas na escola como se ciência fosse

7)  Tentativa de Ciência e religião como coisas antagônicas. Tentativa de colocar o homem religioso como o retrógrado, atrasado e alienado. Porem o ateu, como o esclarecido.

5.  Por conta desse relativismo moral, há um conflito constante e irremediável. Porque o Cristianismo não alega dizer uma verdade alega ser portador da verdade absoluta. E essa expressão “verdade absoluta” é quase como um insulto nos meios acadêmicos. É uma expressão combatida quase como uma heresia religiosa. O cristão é esse ser que está no mundo, porem tem princípios, valores, e uma cultura que é a completa antítese da ideologia corrente

1)  Antropocentrismo X Cristocêntrico

2)  Hedonismo X Prazer em Deus

3)  Materialismo X fé teísta

4)  Relativismo X verdade absoluta

6.  Diante do acima exposto. Encontramo-nos diante de alguns questionamentos:

1)  Como proceder

2)  Como me posicionar politicamente

3)  Como influenciar essa cultura

4)  Hoje há a necessidade de nós cristãos, sermos “bilingües”, para podermos traduzir a perspectiva do Evangelho em uma língua que nossa cultura entenda

5)  A incômoda verdade, é que não estamos nos dando bem como linguistas muito pelo contrário, muitos jovens, esfriam na fé ao adentrar no ambiente universitário; e muitos outros, não abandonam, mas se intimidam por não terem respostas, para a pressão cultural que vão sofrer

7.  Hoje vamos abordar sobre essa revolução cultural que está ocorrendo e tem afetado a cultura, imprensa, educação, escolas, livros, política. Nosso propósito é fazer com que você pense, questione, com o fim de consolidar sua fé bem como sua identidade em Cristo e te dar ferramentas para sobreviver nessa “fornalha de fogo ardente” cultural que estamos vivendo

8.  Se tivéssemos tempo; se estivéssemos em um curso com várias aulas, começaríamos no Éden, porque acredito que toda divergência e antagonismo presente no coração do homem se tem início ali. Mas antes de abordarmos a resposta cristã, vamos analisar 5 ideologias/acontecimentos/fatos que moldaram essa cultura. 05 abordagens que estão culturalmente infiltradas em nossa sociedade. Iluminismo, a abordagem crítica da Escola de Frankfourt, o Gramiscismo, o Marxismo Cultural e por fim, o socialismo, bem como expor suas fraquezas e incoerências (moral, social, intelectual e espiritual), bem como apresentar a posição cristã.

  II.  DESENVOLVIMENTO

1.  ILUMINISMO

1)  O iluminismo foi um movimento intelectual que ocorreu no Sec XVII, pós idade média, onde deu-se um brado de independência contra a religião, alegando que todo conhecimento só pode ser adquirido via razão pelo viés do cientificismo;

2)  A razão, a ciência, seriam a única forma de acharmos respostas para as questões que a humanidade sempre levantou desde quando se entende como humanidade. Sendo que, sabíamos que as fontes de conhecimento são múltiplas (filosofia, religião, senso comum e ciência); todavia, o iluminismo “entronizou” a razão, e o raciocínio lógico, a análise racional das coisas, o método científico, seria o único método aceito para se chegar às questões ultimas da humanidade e do conhecimento.

3)  Através da união de escolas de pensamento filosóficas, sociais e políticas, os iluministas buscaram estender a crítica racional em todos os campos do saber humano.

4)  A razão passou a ser a medida de todas as coisas. E por sí só, sem Deus, é capaz de responder nossa origem, porque estamos aqui, quem somos nós, qual fonte dos nossos problemas, para onde vamos, se vamos, e como é que o universo funciona.

2.  HEGEL

1.  Chegando ao século XIX, vemos o ensino popular de Hegel, o filósofo alemão, com o seu novo conceito da história. Rejeitou o conceito de que Deus dirige a história e ensinava que há um processe dialético que governa a história – tese e antítese, produzindo uma nova síntese. Isso mudou completamente o conceito que as pessoas tinham da história, pois passaram a acreditar que o processo dialético produzia progresso inevitável. Em outras palavras, O MAL NÃO É TÃO MAU, PORQUE DESSE CONFLITO DO MAL E BEM SAIRÁ ALGO BOM. TESE-ANTÍTESE-SÍNTESE

3.  MARXISMO

1)  Karl Marx (1818-1883) foi um filósofo, economista, revolucionário alemão e um dos fundadores do socialismo científico.

2)  Influenciado pela filosofia de Friedrich Engels.

3)  Suas principais obras: Manifesto Comunista e O Capital

4)  Ao olhar para a realidade da Europa, Karl Max vê pobreza, riqueza nas mãos de umas poucas pessoas (burguesia) e exploração da classe operária (proletariado). Pobreza, exploração, prostituição, distribuição desigual de recursos, ele vê que isso é mau e em sua opinião, a causa desse mal, é o capitalismo. Segundo Karl Max, não só o capitalismo é a causa desse mal, como a solução não será por meios pacíficos. A luta de classes são agentes transformadores da sociedade. A classe dominante nunca deseja que a situação mude, pois se encontra em uma situação muito confortável. Já os desfavorecidos têm que lutar pelos seus direitos e esta luta é que moveria a História, segundo Marx. A solução então seria uma luta de classes (luta armada se preciso fosse, extermínio de povos e nações se preciso fosse), onde seria instaurada uma ditadura do proletariado, e triunfo do proletariado faria surgir uma sociedade sem classes. Isto seria alcançado pela união da classe trabalhadora organizada em torno de um partido revolucionário.

5)  Marx também vai dizer que o motivo pelo qual o proletariado aceita a dominação do opressor burguês é porque o proletariado é alienado. O que causa essa alienação seria a religião (o ópio do povo)

6)  Marx então em sua premonição vai dizer que essa união do proletariado e essa luta ocorrerá inequivocamente

7)  Para Karl Max, a causa do problema do homem está fora do homem (o capitalismo) e a solução do problema estaria no homem, em sua decisão de rebelar-se contra a opressão

8)  Essa é a teoria de Karl Max, ou Marxismo clássico, que não tem nada a ver com marxismo cultural

9)  Essa teoria sofre uma crise. Uma crise teórica com o advento da 1ª Guerra Mundial

4.  ESCOLA DE FRANKFOURT

1)  Escola de Frankfourt também chamada de Instituto de Pesquisa Social, nasceu em 1924; foi criada por um grupo de filósofos e cientistas sociais, dentre eles Max Horkheimer, Theodor Adorno, Herbert Marcuse, dentre outros, com a finalidade de estudar a sociedade ocidental, sua forma de pensamento e aí eles desenvolveram a teoria crítica da sociedade.

2)  Os pontos de partida fundamentais de suas reflexões foram a teoria marxista e a teoria freudiana (psiquê)

3)  Seus temas principais giravam em torno da autoridade, autoritarismo, família, a cultura de massa, o papel da ciência e da técnica e a questão da liberdade

4)  Em sua teoria, o avanço tecnológico é colocado a serviço da reprodução da lógica capitalista, enfatizando o consumo e a diversão como formas de entreter, influenciar e desviar a atenção dos problemas sociais.

5)  Vão afirmar que existe uma indústria cultural, usada em favor dos poderosos capitalistas, que aliena a consciência das pessoas. Criam o conceito de massificação, ou seja, essa indústria cultural, faz com que as pessoas pensem todas, da mesma forma, sem criticismo. ISSO É BOM, ISSO É VERDADE, MAS É UMA MEIA VERDADE, OU NÃO É TODA A VERDADE, E UMA MEIA VERDADE PODE SER MAIS PERIGOSA DO QUE UMA MENTIRA DECLARADA. Porque partindo da premissa ateísta, marxista, eles com sua cosmovisão enxergam isso e outras coisas;

6)  Para os frankfurtianos, o cristianismo representa o ressurgimento institucional da filosofia pagã, e Deus seria uma mera ficção.  A religião leva as pessoas a projetarem seu sofrimento em uma entidade divina; ela serve como distração da miséria causada pelo capitalismo; em seu núcleo, não há nada mais do que a pura imaginação. 

7)  De acordo com a Escola de Frankfurt, todos os defeitos da humanidade começam com a família.  A família é a primeira e primordial entidade moral que encontramos.  Essa entidade cria seus filhos de uma maneira autoritária, a qual gera adultos submissos, obedientes e dependentes. Em outras palavras, é a família o que nos prepara e nos programa para aceitar o fascismo.  Sendo assim, ao se desacreditar e destruir o conceito de família, torna-se possível destruir o capitalismo e o fascismo em sua raiz.

8)  A Escola da Frankfurt criou o dogma de que "liberdade e justiça" são termos dialéticos, o que significa que eles estão em completa oposição um ao outro, em um jogo de soma zero, em que "mais liberdade significa menos justiça" e "mais justiça é igual a menos liberdade".

9)  Palavras chaves: MASSIFICAÇÃO, FAMÍLIA, INDUSTRIA CULTURAL

5.  GRAMISCISMO.

1)  Antonio Gramsci (1891-1937) foi o fundador do partido comunista italiano. Talvez seja um dos teóricos mais importante do comunismo, depois de Lenin e Stalin e certamente é o autor mais citado em teses universitárias no Brasil

2)  Foi vítima do fascismo e tal como vítima, seu vínculo com os operários não era só um vínculo político, mas também social

3)  Tinha a concepção que aquele método insurrecional ocorrido na Rússia, não iria funcionar nos países desenvolvidos da Europa Ocidental. A revolução tinha que ocorrer por dentro, de forma lenta, gradual e anonimamente, afetando a crença. Ele absorveu um postulado de Karl Max que dizia que: “uma crença popular tem a mesma força, ou mais força que uma força material”

4)  Segundo Gramsci, antes de tomar o poder para implementar uma cultura, você tem de tomar a cultura, para se chegar ao poder e isso através de uma revolução cultural

5)  Gramsci acreditava que uma sociedade culturalmente e moralmente fraca é muito mais vulnerável a presenciar revoluções

6)  Modus operandi.

a)  Identificação dos formadores de opinião (intelectuais), os instrumentos de disseminação de cultura

b)  Faz uso do discurso da dignidade humana na tentativa de evocar aquilo que está entranhado no ser humano, para desconstruir as agarras do opressor (religião, família, propriedade privada, sistema capitalista) visando o estado perfeito (socialista), sem desigualdades, direitos iguais, sem exploração. Para Gramsci, a religião é a infância da humanidade. A fase adulta, madura, justa, seria a implantação do comunismo pelo viés cultural chegando então a uma sociedade socialista.

c)  Uma vez a cultura tendo sido alastrada, os seguimentos que vão assumindo o poder, detêm o controle da economia, da família e da religião

6.  O QUE É O SOCIALISMO?

1)  O ideal socialista é, em essência, uma sociedade justa, sem classes sociais, com a atenuação ou eliminação das diferenças de poder econômico por meio do poder político.

2)  A questão, é que ninguém pode arbitrar eficazmente diferenças entre o mais poderoso e o menos poderoso sem ser mais poderoso do que ambos. Aparece então a figura do Estado. Ou seja, é o controle, por meio do Estado, do exercício da função empresarial. O socialismo leva em última instância ao totalitarismo

3)   O socialismo poderá apresentar determinados objetivos como sendo bons, mas terá de impor estes objetivos supostamente bons por meio de intervenções coercivas. Sendo assim — e essa é sua principal característica —, o socialismo funciona por meio da coerção.  Esta definição é muito importante porque os socialistas sempre querem ocultar sua face coerciva, a qual é a essência mais distintiva de seu sistema.

4)  É possível fazer distinção entre um sistema integralmente socialista e um sistema onde setores socializados das economias mistas, porque na prática, todos os governos modernos exercem algum tipo de provisão pública

a)  Estrada federal é uma provisão pública

b)  Um programa de vale-alimentação é bem-estar social. Fazendas e supermercados administrados pelo governo constituem o socialismo.

c)  Cotas sociais são bem-estar social. Sistema escolar administrado pelo governo é socialismo

7.  A FRAQUEZA E DEBILIDADES DO SISTEMA SOCIALISTA. Empírica, intelectual, social, moral e espiritualmente

1)  Nunca deu certo em nenhum lugar do mundo. Nunca. Não é possível controlar a economia sem controlar as pessoas. A ideologia socialista não obstante usar uma roupagem intelectual é extremamente hipócrita. Os líderes das revoluções sempre foram intelectuais, membros da classe política, e militares. Cabia aos artistas e escritores ocultarem a brutalidade dos regimes socialistas por meio de artigos, livros, filmes e pinturas, e dar ao socialismo uma aparência estética moral, científica e intelectual. Na propaganda socialista, o novo sistema sempre parece ser justo e produtivo.

2)  A coerção consiste em utilizar a violência para obrigar alguém a fazer algo.  De um lado temos a coerção do criminoso de rua que assalta um indivíduo qualquer; de outro temos a coerção do estado, que é a coerção que caracteriza o socialismo.  Quando a coerção é aleatória, não sistemática, o mercado tem, na medida do possível, seus próprios mecanismos para definir direitos de propriedade e defender-se da criminalidade. 

3)  Para se sustentar o poder político, se precisa de dinheiro e como na idéia socialista o poder político precisa subjugar o poder econômico, ele toma as riquezas dos ricos administrando-as diretamente. Ou seja, no socialismo, não há classe mais rica do que os governantes;

4)  Porém, se a coerção é sistemática e advém institucionalmente de um estado que detém todos os instrumentos do poder, a possibilidade de nos defendermos destes instrumentos e evitá-los é muito reduzida.  É neste ponto que o socialismo manifesta sua realidade em toda a sua crueza.

5)  A essência do socialismo é a coerção, a coerção institucional oriunda do estado, por meio da qual se pretende que um órgão planejador se encarregue de todas as tarefas supostamente necessárias para se coordenar toda uma sociedade. 

6)  A responsabilidade é retirada à força dos indivíduos — que são naturalmente os únicos responsáveis por sua função empresarial, e que almejam seus objetivos e querem alcançá-los utilizando os meios mais adequados para tal — e repassada a um órgão planejador que, "lá de cima", pretende impor por meio da coerção sua visão específica de mundo e seus objetivos particulares. 

7)  Promove o ódio e a inveja doentia

8)  Promove a dependência da população ao Estado em detrimento de suas capacidades, criatividade, competências, etc

9)  Todas as formas de comunismo mataram mais pessoas que todas as pestes, doenças e guerras. Mais de 100.000.000 de mortos entre os seus dissidentes

8.  A RESPOSTA CRISTÃ / ABORDAGEM APOLOGÉTICA

Pressupostos

Ø  Sempre haverá um conflito. Não só um conflito de cosmovisões, mas uma batalha espiritual. “o mundo jaz no maligno”. “nós não somos do mundo”.

Ø  Quem convence o homem do pecado é o Espírito Santo. A regeneração é uma prerrogativa de Deus. Muitas vezes não será só questão de argumentos. Por mais que você demonstre racional e inteligentemente argumentos, o mundo está cego, e vive um verdadeiro antagonismo

Ø  O cristão não deve estar preocupado somente com sua salvação pessoal. é seu dever ter uma visão completa da vida como ensinada nas Escrituras e ser um agente do Evangelho em meio a um cativeiro cultural

Ø  o cristão não é de direita ou de esquerda; não defendemos uma união entre o Estado e a Igreja (instituição), não apregoamos um Estado Cristão, todavia somos cidadãos de dupla cidadania

Ø  somos contra a miséria e à exploração, pregamos o ato de doar, mas de maneira voluntária e não de forma coercitiva

Ø  o cristão experimenta um profundo pessimismo quanto ao presente, mas com um glorioso otimismo quanto ao futuro. O homem está em PECADO, e portanto, nunca teremos uma sociedade perfeita, somente a vinda de Cristo produzirá isso

1)  A RELIGIÃO É O ÓPIO DO POVO E MUITOS MALES JÁ FORAM FEITOS EM NOME DA RELIGIÃO. Maiores males foram feitos por antireligiosos

A)  POR QUE ACREDITO EM DEUS?

- Argumento cosmológico

- Argumento moral

- Argumento teleológico

2)  O PROBLEMA DO HOMEM ESTÁ FORA DO HOMEM. O homem moderno diz que o problema do homem está fora do homem (para o socialista o problema é o capitalismo) (para o capitalista, o problema é o socialismo/esquerda). O problema do homem é o pecado. O pecado na natureza humana. O problema primário, essencial, que nos levou a todas as desgraças e problemas, é o pecado. O homem não é simplesmente uma pobre criatura que nunca teve chance, e eminentemente bom, não! Nós estamos em um estado de desobediência a Deus e conseguimos macular a melhor das intenções.

3)  TODA VERDADE É RELATIVA. RELATIVISMO MORAL. O relativismo moral acaba com nossos conceitos de certo e errado. Passa a valer a opinião da maioria. Todavia isso é um contrassenso. Se a maioria opinar pelo extermínio de uma minoria, isso passa a ser moralmente correto? Os campos de concentração são moralmente corretos?

4)  CIÊNCIA E RELIGIÃO SÃO ANTAGÔNICOS. VOCÊ NÃO PODE SER INTELECTUAL E CIENTÍFICO E AO MESMO TEMPO SER RELIGIOSO

- A razão foi dada ao homem para que tivesse consciência de sí mesmo, para que pudesse ver a sí mesmo distinto da natureza que o cerca e pela razão ao observar a natureza e interpretar a natureza, compreender as coisas de Deus e poder relacionar-se com Ele. A bíblia diz que o culto deve ser racional e Deus nos convida a pensar. Ciência e religião não precisam ser antagônicos, tendo em vista que ciência vai lidar com o natural e não com o transcendente.

5)  A CIÊNCIA JÁ DESMISTIFICOU OS MILAGRES. Os críticos dizem que antigamente as pessoas acreditavam em milagres porque não conheciam as leis da natureza. Se José não era conhecedor das leis da natureza por que ele intentou deixar Maria? O milagre não anula a ciência. O problema não é o milagre, por que qual dificuldade que um Ser tão poderoso, capaz de criar as coisas ex Nilo (do nada) teria para fazer o mar se abrir (por exemplo)?

III.  APLICAÇÃO. COMO DEVEMOS PROCEDER

1.  A maior e melhor demonstração de apologética cristã é vivermos o Evangelho. “se você não demonstra uma vida que está acima do padrão desse mundo _ não há nada em seu interior que lhe cause alegria, paz e força, em uma situação que, vista de fora, parece muito ruim _ não haverá nada que leve outras pessoas a perguntarem sobre sua fé”. Dallas Willard

2.  Conheça o Evangelho

3.  Estude

4.  Questione

5.  Seja gentil

6.  Seja excelente

7.  Posicione-se politicamente. Isso significa exercer seus direitos e deveres de cidadão. Porem, como cristão, sua fé é integral; envolvimentos e vínculos de cristãos com partidos que em sua essência são anticristãos é no mínimo temerário. A esquerda, em sua gênese, não tolera a religião, é contra a família tradicional (o braço forte da propriedade privada), é relativista em tudo. Temos consciência que por conta do pecado o capitalismo gera uma exploração, por causa do pecado o socialismo nos leva a um totalitarismo. Todavia, a base ideológica de direita não é religiosa, é econômica e a base ideológica da esquerda é eminentemente religiosa. Religiosa em sua cosmovisão. Toda cosmovisão envolvente precisa tratar das perguntas existenciais da humanidade.

1)   CRISTIANISMO

a)  CRIAÇÃO: Deus, é auto-existente, anterior à matéria. No princípio criou Deus os céus e a terra

b)  QUEDA: pecado

c)  REDENÇÃO: obra e graça de Deus por meio de Jesus Cristo

2)  MARXISMO

a)  CRIAÇÃO: a matéria é autocriada e autoprodutiva

b)  QUEDA: o surgimento da propriedade privada

c)  REDENÇÃO: revolução. Derrubem os tiranos e recriem o paraíso original do comunismo primitivo

3)  MARXISMO CULTURAL

a)  CRIAÇÃO: nossa origem remonta a evolução (uma afirmação de fé, religiosa)

b)  QUEDA: surgimento dos valores judaico-cristãos

c)  REDENÇÃO: implosão dos valores judaico cristãos (família, religião, propriedade privada, direito)

IV.  CONCLUSÃO

Quero concluir parafraseando Antônio Gramsci......

“[...] estou atormentado [...] por essa idéia: de que é preciso fazer algo”

Não é mais difícil para você do que foi para Daniel, do que foi para aquela menina na casa de Naamã. “Posso todas as coisas nAquele que nos fortalece. Se Deus é por nós, quem será contra nós? Operando Deus, quem impedirá? Sem Ele, nada podemos fazer”

“O cristão deve agir como cidadão, e fazer sua parte na política e em outras questões a fim de conseguir as melhores condições possíveis. Todavia, sempre devemos lembrar que a política é a “arte do possível”. Devo trabalhar pelo melhor possível” Dr Martin Lloyd Jones

Como viveremos nesse período? Dando ouvidos às grandes exortações das Escrituras:

“Tenham cuidado, para não sobrecarregar o coração de vocês de libertinagem, bebedeira e ansiedades da vida, e aquele dia venha sobre vocês inesperadamente. Estejam sempre atentos e orem para que vocês possam escapar de tudo o que está para acontecer, e estar em pé diante do Filho do Homem” (Lc 21;34-36)

Nesse ínterim, olhemos para “esta gloriosa manifestação de nosso grande Deus e Salvador” (Tito 2;13) [...] e façamos o máximo para abrir os olhos dos nossos semelhantes quanto ao seu real problema (o pecado) e sua real necessidade (O Evangelho)

Bibliografia

1.  Antônio Gramsci, ANOTAÇÕES DO CÁRCERE

2.  Aristóteles, A POLÍTICA (Lafonte 2017)

3.  C. S. Lewis, DEUS NO BANCO DOS RÉUS (Thomas Nelson, 2018)

4.  M. Lloyd-Jones, OS PURITANOS (PES, 2016)

5.  M. Lloyd-Jones, SERMÕES EVANGELÍSTICOS (PES, 2008)

6.  Nancy Pearcey, A BUSCA DA VERDADE (Cultura Cristã, 2018)

7.  Nancy Pearcey, VERDADE ABSOLUTA (CPAD, 2006)

8.  Olavo de Carvalho, O MÍNIMO QUE VOCÊ PRECISA SABER PARA NÃO SER UM IDIOTA (Record, 2018)

9.  Kevin D. Williamson, O LIVRO POLITICAMENTE INCORRETO DA ESQUERDA E DO SOCIALISMO ( Agir, 2013)

Rádio Online

Ouça

Cadastro

Cadastre-se e receba as últimas novidades do Portal AD Alagoas.

Correspondente

Interaja com o Portal AD Alagoas e envie sugestões de matérias, tire suas dúvidas, e faça parte do nosso conteúdo.

participe »
Lições Bíblicas
Estudos Bíblicos
Correspondente - Enviar Matéria
Cadastro Cadastre-se e receba as últimas novidades do Portal AD Alagoas.
Facebook Twitter Siga-nos nas Redes Sociais