16 de agosto de 2018
Siga-nos nas redes sociais Facebook Twitter Instagram

Notícias » Missão e Mundo

28/05/2018

Mãe e filha muçulmanas desistem de `suicídio duplo´ após testemunharem cura por Jesus

Padina e sua mãe estavam desiludidas com o islamismo, mas foram tocadas pelo poder de Jesus

Fonte: Guiame com informações do God Reports

Crescendo no Irã, Padina memorizou o Alcorão antes mesmo de começar a ir para a escola. Ela recitava fielmente suas orações todos os dias.

“Eu odiava os cristãos e fiquei muito feliz quando descobri que eles estavam sendo perseguidos. Eles sempre nos disseram que, se matássemos um cristão, nós tínhamos uma passagem só de ida para o céu”, disse ela a Hormoz Shariat, presidente do ministério cristão 'Iran Alive'.

Ela era exigente em aplicar o Alcorão à sua vida. Se ela esquecesse a lavagem cerimonial antes da oração, por exemplo, ela pararia no meio da oração, voltaria e lavaria corretamente e começaria tudo de novo.

"Eu era uma crente islâmica muito forte", afirmou.

Mas toda a sua dedicação religiosa foi em vão para sua própria vida. Ela ficou deprimida a ponto de querer cometer suicídio.

"Eu me sentia tão distante de Alá", confidenciou a Hormoz.

Enquanto isso, sua mãe, atingida pela esclerose múltipla, ficou gravemente doente.

Padina confidenciou à mãe sobre suas tendências suicidas. Em vez de desencorajá-la, ela chocou Padina, pedindo-lhe para matá-la também - o que resultaria em um suicídio duplo!

"Eu vou fazer isso por você, e nós duas vamos morrer", disse a mãe à moça.

Mas então um dia, a mãe em seu leito de morte sintonizou a transmissão via satélite de uma pregação do pastor Hormoz Shariat, que tem sido chamado de "Billy Graham do Irã".

"Se você está sem esperança, se está oprimido, se está planejando cometer suicídio, o Senhor diz: 'Pare'. Ele tem uma esperança e um futuro para você", disse Hormoz na transmissão. "Se você está planejando se matar, pare e me ligue agora mesmo".

A mãe de Padina estava tão desesperada que não se importava que o Islã punisse com a morte aqueles que se convertessem ao cristianismo. Ela não se importava que o Alcorão condenasse todos os "apóstatas" ao inferno. Ela não se importava, então ela discou.

Depois de conversar por meia hora com a equipe de aconselhamento de Hormoz, ela se arrependeu de seus pecados e recebeu Jesus em seu coração com a oração da fé.

Enquanto isso, sua filha estava assistindo tudo da cozinha, alarmada com o que estava acontecendo.

"Fiquei furiosa", lembrou Padina, acrescentando que começou a atacar e condenar sua mãe.

"Por que nos últimos minutos de sua vida você decide fazer isso?", Ela acusou. "Agora você vai para o inferno."

A mãe implorou a Padina para entrar na linha e conversar com o próprio Hormoz.

"Jesus não pode fazer nada", respondeu Padina à mãe no momento. "Jesus não é nada. Não vou blasfemar contra Alá falando com esse infiel".

A mãe desabou em lágrimas, mas ainda assim não desligou. Então, ao ver a mãe chorando, Padina cedeu e pegou o telefone.

"Eu vou me matar", disse Padina friamente a de Hormoz. "E o seu Jesus não pode fazer nada por mim."

Hormoz tentou convencê-la durante uma hora, mas sem sucesso.

"Você mesma disse: Alá não fez nada por você. Dê a Jesus apenas uma chance", ele implorou, e então, apostando na intervenção divina, ele tentou ganhar tempo. "Você sempre pode se matar na próxima semana".

Hormoz lançou o desafio, pedindo que ela desse "uma semana a Jesus" para que Ele agisse e isso intrigou Padina.

"Quando ele me deu esse desafio, pensei: 'Esta é a melhor maneira de poder servir a Alá' uma última vez antes de eu me suicidar”, disse Padina.

Ela contra-atacou Hormoz com um ultimato.

"Ok, vou orar", ela disse a Hormoz. "E na próxima semana, se Jesus não tiver feito nada por mim, farei um vídeo e direi a todos: 'Vejam, tentei clamar a Jesus por uma semana e nada mudou. E eu vou me matar esta noite. 'E eu farei isso".

Sua intenção era provar aos outros que Jesus era falso. Ela permaneceria fiel a Alá.

Mas na manhã seguinte, ela acordou com um som estranho. Aqueles eram os passos da mãe dela.

"Eu vi minha mãe andando", recorda Padina. "E ela estava andando perfeitamente."

Padina entrou em pânico. O que estava acontecendo? Ela levou a mãe para o hospital.

Os médicos realizaram exames de sangue e uma ressonância magnética.

"Isso é um milagre", disse o médico. “Não há nada de errado com ela e ela foi curada. Não há mais sinal da esclerose múltipla em seu corpo".

Padina ficou desconcertada: "Isso é impossível. Algo deve estar errado com ela".

"Não há nada de errado com ela", insistiu o médico. "Isso é um milagre."

Então ele acrescentou: "Em qual Imã você orou para isso acontecer?"

Padina baixou a cabeça, incrédula, tentando processar as notícias e as implicações. Ela então se lembrou de sua conversa na noite anterior com Hormoz. Ela se lembrou da conversão de sua mãe. Ela viu em sua mente, em um instante, anos das infrutíferas orações a Alá e lavagens cerimoniais e seu semblante amoleceu.

"Não era um imã", ela disse suavemente para o médico. "Foi Jesus".

Em um instante, a dureza de seu coração desapareceu. Uma vida de ser perfurado para odiar os cristãos e se submeter com medo a Alá desapareceu. Ela queria viver, não morrer.

Padina vive no Irã com sua mãe hoje. Eles fazem parte do crescente movimento clandestino de cristianismo dentro do Irã.

Eles praticam sua fé com grande risco para suas vidas.

Enquanto o mundo se concentra na ameaça do Irã de desenvolver mísseis nucleares, por trás das manchetes, apesar da repressão da polícia religiosa, a chama do avivamento continua à medida que Deus cresce a igreja.


Da Redação/AD Alagoas
[email protected]

Rádio Online

Ouça

Cadastro

Cadastre-se e receba as últimas novidades do Portal AD Alagoas.

Correspondente

Interaja com o Portal AD Alagoas e envie sugestões de matérias, tire suas dúvidas, e faça parte do nosso conteúdo.

participe »
Lições Bíblicas
Estudos Bíblicos
Correspondente - Enviar Matéria
Cadastro Cadastre-se e receba as últimas novidades do Portal AD Alagoas.
Facebook Twitter Siga-nos nas Redes Sociais