17 de dezembro de 2017
Siga-nos nas redes sociais Facebook Twitter Instagram

AD Alagoas / Lições Bíblicas

03/06/2017

LIÇÃO 10 – MARIA, IRMÃ DE LÁZARO, UMA DEVOÇÃO AMOROSA

Comentário da lição Bíblica para o fim de semana com Pr. Jairo Teixeira


(Jo 12.1-11) 

INTRODUÇÃO 

Na aula de hoje estudaremos a respeito de Maria, uma das irmãs de Lázaro, que habitava em Betânia. Nesta lição nos voltaremos para a vida dessa mulher que nos legou o exemplo de devoção, e de desprendimento ao Senhor Jesus. Inicialmente faremos uma comparação sobre as atitudes das duas irmãs, Marta e Maria, em relação a Cristo. Em seguida, destacaremos a atitude de liberalidade de Marta, ao lavar os pés do Mestre, e enxugá-los com seus cabelos. Ao final, refletiremos sobre a necessidade de cultivar a devoção de Maria, em um mundo conturbado, como o de Marta.

Nesta lição também estudaremos sobre Maria irmã de Lázaro, como um grande exemplo de dedicação a Cristo no Novo Testamento; veremos importantes informações a respeito dessa personagem, ressaltando alguns aspectos da sua devoção; pontuaremos também traços de um caráter que Deus reprova; e por fim, elencaremos alguns resultados da devoção amorosa de Maria. 

I – DEFINIÇÕES DAS PALAVRAS DEVOÇÃO E AMOROSA 

1.1 Devoção. De acordo com Aurélio devoção é: “Ato de dedicar-se ou consagrar-se a alguém, dedicação íntima; afeição, afeto” (FERREIRA, 2010, p. 668). Já Andrade (2006, p. 142) define como: Consagração individual que tem por objetivo o estreitamento da comunhão entre a criatura e o Criador; implica em serviço em prol do Reino de Deus

1.2 Amorosa. Segundo Aurélio a palavra amorosa significa: “Que tem ou sente amor; carinhosa, terna, meiga” (FERREIRA, 2010, p. 123). Qualidade cristã decorrente da ação do Espírito Santo em sua vida (Rm 5.5; Gl 5.22). 

II – INFORMAÇÕES SOBRE MARIA A IRMÃ DE LÁZARO 

2.1 Nome. O nome Maria é derivado da mesma raiz hebraica do nome “Miriã”, que tanto pode significar “ser amargo ou amargurar”, como também “ser forte ou fortalecer” (HARRIS et al, 1998, p. 880) sendo esse último, o que descreve muito bem a personagem em destaque. Marta e Maria eram irmãs de Lázaro, um amigo do Senhor, que residia em Betânia, uma aldeia que distava a três quilômetros de Jerusalém, na estrada que leva a Jericó. Ao que tudo indica, sempre que Jesus por ali passava, aproveitava a oportunidade para ficar na casa de Lázaro. Em uma dessas vezes, conforme relato de Lucas, Maria se pôs aos pés do Mestre, a fim de ouvir Seus ensinamentos. O evangelista narra que Maria estava absorta diante daquelas verdades, o mesmo não aconteceu com Marta, que estava bastante atarefada. Lucas diz que “Marta, porém, andava distraída em muitos serviços e, aproximando-se, disse: Senhor, não te importas que minha irmã me deixe servir só? Dize-lhe, pois, que me ajude (Lc. 10.40). É compreensível que Marta estivesse ocupada, pois os discípulos de Jesus ali estavam, e todos deveriam participar da refeição. Não que a tarefa que ela estava desenvolvendo não tivesse importância, mas o tempo para o que ela estava fazendo, e a prioridade que lhe dava, não era adequada. Muitas vezes estávamos envoltos pelo ativismo eclesiástico, fazemos muitos trabalhos para a obra de Deus, mas não para o Deus da obra. Marta pensou mesmo que estivesse correta, pois pediu ao Senhor que censurasse Maria. Mas Jesus sabia que esta havia escolhido “a boa parte, a qual não lhe será tirada” (Lc. 10.41,42). Como diz o sábio de Eclesiastes, há tempo para todo propósito debaixo do céu, e não podemos desprezar as oportunidades de estar aos pés de Jesus. Às vezes, estamos por demais atarefados, e sob a justificativa do trabalho, não temos mais tempo para orar, e meditar na Palavra de Deus. Precisamos avaliar nossas prioridades, e considerar se estamos desprezando o exercício da piedade (I Tm. 4.8).

É importante salientar que a personagem em destaque nessa lição, não pode ser confundida com a mulher pecadora que ungiu os pés de Jesus na casa de um fariseu chamado Simão (Lc 7.36-50). Além de Maria irmã de Lázaro algumas outras mulheres são chamadas por esse nome no Novo Testamento. Entre elas destacamos: (a) a mãe de Jesus (Mt 1.16); (b) Maria chamada Madalena (Lc 8.2); (c) a mãe de Tiago e de José (Mt 27.56); (d) a mãe de João Marcos (At 12.2); (e) e uma irmã na igreja em Roma cooperadora do apóstolo Paulo (Rm 16.6). 

2.2 Familiares. A família de Maria se limita a três integrantes, todos eles seguidores de Jesus, vistos entre seus amigos mais próximos (Jo 11.5). Sua irmã era Marta, nome que quer dizer “senhora”, uma piedosa serva de Deus que tinha dentre outras coisas a virtude da hospitalidade (Lc 10.38). Seu irmão era Lázaro, cujo nome significa “Deus é auxílio” (CHAMPLIN, 2002, p. 457) que recebeu também um destaque especial nas Escrituras ao ser ressuscitado por Jesus (Jo 12.1), sendo lembrado como aquele a quem Cristo amava (Jo 11.3). 

2.3 Local de origem. Maria e família eram residentes de uma aldeia chamada Betânia, uma vila no declive leste do monte das Oliveiras, situada a cerca de três quilômetros ao leste de Jerusalém “Ora Betânia distava de Jerusalém quase quinze estádios” (Jo 11.18); um estádio era uma medida grega de distância equivalente a 200 metros (BRUCE, 1987, p. 210). Betânia era um local que sempre aparece a fatos importantes ligados a Jesus durante o seu ministério (Mt 21.17; Mc 11.11; Lc 24.50); hoje a cidade é chamada de “el Azariyeh”, ou seja, “o lugar de Lázaro” (TYNDALE, 2015, p. 246). 

III – ASPECTOS DA VERDADEIRA DEVOÇÃO 

Maria a irmã de Lázaro, aparece apenas três vezes nos Evangelhos, e em todas as ocasiões estava aos pés de Jesus para aprender (Lc 10.39), para chorar (Jo 11.32,33) e para agradecer (Jo 12.1-3) (LOPES, 2006, p. 398); sua atitude de adoração é semelhante a encontrada em um dos Evangelhos (Lc 7.36-50), porém as diferenças de tempo, local ou ocasião, mostram ser duas pessoas totalmente diferentes. Maria a irmã de Lázaro, tem como sua principal marca com toda certeza a sua dedicação. Vejamos algumas características da sua devoção a Cristo: 

3.1 Voluntária. Não há registro de Jesus pedindo que alguém procedesse dessa maneira, que por sinal contrariava alguns conceitos sociais, a atitude parte deliberadamente de Maria “Então Maria, tomando um arrátel de unguento de nardo puro, de muito preço, ungiu os pés de Jesus, e enxugou-lhe os pés com os seus cabelos [...]” (Jo 12.3). Seu gesto de amor foi público e espontâneo. Diante disso, precisamos lembrar que a devoção aceita por Deus deve partir de uma atitude livre, espontânea, voluntária (Êx 25.2; 35.5,29; 2Co 8.3; 9.7). 

3.2 Sacrificial. Aquele perfume foi avaliado por trezentos denários (Jo 12.5), que representava o salário de um ano de trabalho. Sobre o perfume nos é dito que era: “[...] unguento de grande valor” (Mt 26.7); “[...] preciosíssimo perfume” (Mc 14.3 – ARA); “[...] de muito preço” (Jo 12.30). O nardo puro era oriundo das folhas secas de uma planta natural do Himalaia, entre o Tibete e a Índia, e pelo fato de provir de uma região tão remota, era altamente cotada(HENDRIKSEN apud LOPES, 2015, p. 317). Maria tomou o objeto mais precioso que possuía e o gastou todo em Jesus “[...] lho derramou sobre a cabeça” (Mc 14.3). A semelhança de Maria a nossa devoção a Deus deve ser plena, sem reservas (Dt 6.5; 1Ts 5.23; Rm 12.1). Devemos lembrar o exemplo de Deus que deu o seu melhor para nós, o seu Filho Jesus (Jo 3.16). O amor é dadivoso e a única coisa que lamenta é quando não tem mais para dar (2Sm 24.24; 1Cr 21.24). 

3.3-Oportuna. Maria demonstrou seu amor a Jesus antes da sua morte e antecipou-se a ungi-lo para a sepultura (Jo 12.7; Mc 14.8). As outras mulheres também foram ungir o corpo de Jesus, mas quando elas chegaram lá, Ele já não estava mais, pois havia ressuscitado (Mc 16.1-6). Em certo sentido, Maria demonstrava sua devoção a Jesus antes que fosse tarde demais, enquanto o Senhor ainda estava vivo. Do mesmo modo devemos nos dedicar ao Criador em tempo oportuno, devido à brevidade da vida (Ec 12.1,2); fazendo a obra com eficiência diante das dificuldades naturais (Jo 9.4); aproveitando cada oportunidade (2Tm 4.2). 

3.4 Generosa. Sua gratidão a Jesus é uma das suas motivações para tamanha devoção. Além da sua vida marcada pelos ensinos do Mestre, que frequentava a sua casa mostrando comunhão com a família, era também grata pela ressurreição de seu irmão Lázaro (Jo 11.1-44; 12.1). A generosidade é uma virtude que deve ser cultivada pelos autênticos servos de Deus diante da sua graça revelada (Sl 103.1,2; Cl 3.15,16; 1Tm 6.18). 

3.5 Cristocêntrica. Maria não tinha outra intenção a não ser honrar ao seu Senhor (Mc 14.6); seu gesto como demonstração de sua devoção não tem como propósito a sua própria apresentação, nem buscava ela aprovação de outrem. Muito pelo contrário, a sua ação inusitada e ousada a fez ser alvo de severas críticas (Mc 14.5,6), mas não a inibiu de adorar ao seu Mestre. A centralidade da pessoa de Cristo na verdadeira adoração, é reafirmada pelo apóstolo Paulo ao dizer: “Porque dele e por ele, e para ele, são todas as coisas; glória, pois, a ele eternamente. Amém” (Rm 11.36). 

IV – JUDAS ISCARIOTES, UM CARÁTER REPROVÁVEL 

O texto em apreço também apresenta um grande contraste, dessa feita não entre Maria e sua irmã Marta (Lc 10.38- 42), mas, entre Maria e Judas Iscariotes, que por meio de sua crítica revela traços de um caráter reprovado por Cristo. Notemos alguns aspectos negativos de seu caráter: 

4.1 Hipócrita. A crítica de Judas a Maria, é resultado de uma falsa preocupação pelos menos favorecidos (Jo 12.5). Sua atitude aparentemente louvável, servia de máscara para ocultar suas verdadeiras motivações. Tal comportamento é algo que caracteriza os que dizem conhecer a Deus, mas, o negam com suas obras (Tt 1.16), e como também, indica traços de um caráter ímpio conforme ensinou o apóstolo Paulo (2Tm 3.5). 

4.2 Egoísta e avarento. A cobiça pessoal de Judas por coisas materiais se disfarça de uma aparente filantropia (amor ao próximo), não havendo contudo preocupação genuína, mas, visando uma oportunidade de levar proveito da situação para benefício próprio. “Por trás das palavras de Judas, havia um espírito mercenário, e não um interesse altruísta pelos pobres” (BRUCE apud LOPES, 2015, p. 320). A avareza de Judas é declarada pela observação que o evangelista faz a respeito da sua intenção (Jo 12.6). Segundo Aurélio avareza é:“excessivo e sórdido apego ao dinheiro; falta de generosidade; mesquinhez”(2004, p. 236). O apóstolo Paulo adverte sobre o perigo da avareza (1Tm 6.10). 

O cristianismo ocidental foi cooptado pelo materialismo naturalizado pela sociedade, de tal modo que muitos cristãos estão consumindo suas vidas, agindo a partir da cosmovisão de Marta. Há aqueles que correm tanto que não têm mais tempo para Deus. Ganhar dinheiro, em muitos casos, é a principal motivação da existência. Essas pessoas não sabem o que é desfrutar da presença de Cristo, não conseguem ficar aos seus pés, e parar para ouvir suas palavras.

V – OS RESULTADOS DE UMA DEVOÇÃO AMOROSA 

Devoção é a mesma coisa que piedade ou sentimento religioso; expressão de adoração a Deus através de práticas religiosas. Piedade é uma constante cultura da vida interior de santidade diante de Deus e para Ele, que por sua vez se aplica em todas as outras esferas da vida prática. Notemos que apesar da oposição encabeçada por Judas Iscariotes, Maria recebe de Cristo como resultado de sua devoção três coisas: 

5.1 A defesa das críticas. Diante das críticas de Judas, Jesus defendeu Maria mostrando a importância de sua atitude:“[...] deixai-a, para que a molestais?”(Mc 14.6-a). Judas não tinha que criticar, pois, Maria não estava fazendo para ele, mas para o Mestre amado: “Ela fez-me [...]” (Mc 14.6). 

5.2 O elogio e aprovação. Na tradição judaica os reis, sacerdotes e outros eram ungidos para exercer seu ofício, eis aí onde reside também sua “boa obra”, uma indicação que Jesus era alguém que merecia tamanha honra: “[...] Ela fez-me boa obra” (Mc 14.6-b); e fez o que tinha condições: “Ela fez o que podia [...]”(Mc 14.8-a) 

5.3 A honra de ser lembrada pelo seu ato de amor em todas as gerações. Ela seria lembrada por ter ungido o Messias para seu sepultamento: “Em verdade vos digo que, em todas as partes do mundo onde este evangelho for pregado, também o que ela fez será contado para sua memória” (Mc 14.8,9). 

CONCLUSÃO 

Vivemos em um mundo conturbado, o frenesi da modernidade está levando muitos à angústia, e por fim, ao desespero. Precisamos tomar cuidados para não nos deixar controlar pelos “muitos serviços” que nos são impostos, principalmente nessa sociedade tecnológica. Quase não encontramos mais tempo para Deus, e já não sabemos mais o que significa desfrutar da Sua presença. Que Deus nos guarde da inversão de prioridades, que saibamos, como Maria,  valorizar os momentos com Jesus.

A atitude de Maria revela o que é na prática a verdadeira devoção ao Senhor, tornando-se um exemplo de serviço agradável a Deus. Ao quebrar o vaso de alabastro estava expressando um quebrantamento interior, ressaltando qual a natureza da autêntica adoração, como lembra Davi um adorador por excelência:“Os sacrifícios para Deus são o espírito quebrantado; a um coração quebrantado e contrito não desprezarás, ó Deus” (Sl 51.17). 

REFERÊNCIAS 

    • BRUCE, F.F. João Introdução e comentário. MUNDO CRISTÃO. 
    • CHAMPLIN, R. N. O Novo Testamento Interpretado Versículo por Versículo. HAGNOS. 
    • Dicionário Bíblico Tynd
    • ale. GEOGRÁFICA. 
    • Dicionário Internacional de Teologia do Antigo Testamento. VIDA NOVA. 
    • LOPES, Hernandes dias. Marcos: O evangelho dos milagres. HAGNOS. 
    • LOPES, Hernandes dias. João: As glórias do Filho de Deus. HAGNOS. 

Chat

Interaja com a comunidade do Portal AD Alagoas.

participe »

Rádio Online

Ouça

Cadastro

Cadastre-se e receba as últimas novidades do Portal AD Alagoas.

Correspondente

Interaja com o Portal AD Alagoas e envie sugestões de matérias, tire suas dúvidas, e faça parte do nosso conteúdo.

participe »
Lições Bíblicas
Estudos Bíblicos
Correspondente - Enviar Matéria
Cadastro Cadastre-se e receba as últimas novidades do Portal AD Alagoas.
Facebook Twitter Siga-nos nas Redes Sociais