21 de outubro de 2017
Siga-nos nas redes sociais Facebook Twitter Instagram

AD Alagoas / Lições Bíblicas

13/05/2017

LIÇÃO-07 – RUTE, UMA MULHER DIGNA DE CONFIANÇA

Comentário da lição Bíblica para o fim de semana com o Pr. Jairo Teixeira direto da Alemanha.


Texto: (Rt 1.11,14-18)

INTRODUÇÃO

Nesta lição teremos a oportunidade de aprender sobre caráter e dignidade com Rute, uma das mais destacadas mulheres na Bíblia; Rute escolheu ajudar Noemi e seguir o seu Deus. Rute se recusou a abandonar sua sogra, viúva e sem nenhum recurso financeiro. A história de Rute revela seu caráter bondoso e fiel ao Deus de Israel e à sua sogra. Rute nos deixa uma lição preciosa com seu perfil e que o amor e a bondade são capazes de mudar a história de uma pessoa. Pois, essa gentia, que não fazia parte do povo de Deus, entrou na genealogia de Jesus. Pontuaremos algumas informações importantes sobre o livro que leva o seu nome; veremos alguns aspectos pelos quais, seu caráter se torna um exemplo; e por fim, elencaremos algumas ações de Deus em seu benefício como recompensa por suas virtudes.

I – DEFINIÇÕES DE DIGNIDADE E CONFIANÇA

1.1 Dignidade. Segundo Aurélio (2010, p. 678) significa: “qualidade moral que infunde respeito; consciência do próprio valor; honra, autoridade, nobreza, título que confere ao indivíduo uma posição graduada, autoridade moral, honestidade, respeitabilidade, decência, decoro”.

1.2 Confiança. Já a palavra confiança é: “segurança de procedimento, crédito, boa fama, bom conceito das pessoas de retidão, familiaridade, crença na retidão moral, no caráter e na lealdade de uma outra pessoa” (FERREIRA, 2010, p. 521).

II – INFORMAÇÕES SOBRE RUTE

2.1 Informações literárias. O livro de Rute pertence aos livros do AT chamados de “Megilloth” ou “cinco rolos” (Cantares de Salomão, Rute, Lamentações, Eclesiastes e Ester); lidos respectivamente em cinco ocasiões especiais durante o ano no calendário festivo de Israel, sendo o livro de Rute lido na festa da Colheita (Pentecostes). Sobre a autoria do ainda que existe uma tentativa de vários estudiosos de atribuir ao profeta Samuel, mas o autor é considerado anônimo. Apenas dois livros na Bíblia levam nomes de mulheres, o de Ester e o de Rute.

2.2 Informações históricas. Os eventos históricos no livro de Rute aconteceram antes do estabelecimento da monarquia em Israel. “Nos dias em que julgavam os juízes [...]” (Rt 1.1). O livro pontua uma fome que se instaurou não somente por causas naturais, mas porque nesse período dos juízes o povo de Israel diversas vezes naufragou na fé dando as costas para Deus adorando aos ídolos e vivendo de forma desregrada (Jz 2.11; 3.7,12; 4.1; 6.1; 10.6; 13.1; 17.6). Deus puniu o seu povo como havia prometido (Dt 28.15-68). A história de Rute no entanto, brilha como um holofote em uma era de escuridão vivida pela nação, que nesse período estava em declínio espiritual e moral (Jz 21.25).

2.3 Informações biográficas. Rute cujo nome quer dizer “amizade”, era oriunda da terra de Moabe localizada no planalto, ao leste do Mar Morto e povoada pelos descendentes do fruto de um relacionamento incestuoso de Ló com uma de suas filhas (Gn. 19.36,37). Os moabitas eram, às vezes, chamados de “povo de Camos”, devido à sua adoração a essa divindade pagã. A jovem moabita se casou com Malom, filho mais velho de Elimeleque e Noemi (Rt 1.1-4; 4.10); ficando posteriormente viúva, à semelhança de sua sogra e também a Orfa (Rt 1.4,5).

III – ASPECTOS DO CARÁTER DE RUTE

Apesar de sua origem pagã a vida da jovem moabita foi profundamente marcada, não apenas pelas dificuldades enfrentadas, mas, principalmente pela sua experiência pessoal com Deus, que pode ser refletida através dos traços de seu caráter, notemos alguns:

3.1 Altruísmo (Rt 1.14). Um dos traços do caráter de Rute era o amor para com o próximo, nesse caso, à sua sogra. A despeito da tentativa de Noemi em fazê-la voltar para a casa de sua mãe (Rt 1.8), com o argumento de não ter nada para lhe oferecer (Rt 1.11,12); Rute revela seu amor altruísta, ou seja, sem interesses pessoais, quando nos diz o texto: “[...] porém Rute se apegou a ela” (Rt 1.14). A sua amizade não era uma relação utilitarista e conveniente. Seu amor não era apenas de palavras, mas de fato e de verdade (1Jo 3.18). Embora a morte do seu marido tenha cortado os laços dela com a família de Noemi pelas normas da sociedade, Rute escolhe ficar com ela voluntariamente; esse ato reflete uma abnegação notável, a ponto de pôr a perder a própria felicidade. O altruísmo de Rute é a expressão do verdadeiro amor que Paulo descreveu:“[...] não procura seus interesses” (1Co 13.5); é o amor sacrificial que tem como o maior exemplo Cristo Jesus (Rm 5.6-8); é o amor que devemos ter para com todos (Jo 13.34; 1Co 10.33; 16.14; 1Ts 3.12; 1Jo 4.21; 2Pe 1.7). Como disse o apóstolo Paulo: “Ninguém busque seu próprio interesse, e sim o de outrem” (1Co 10.24).

3.2 Determinação (Rt 1.18). Outra virtude notável dessa jovem moabita é a sua convicção; diante da insistência de Noemi Rute se mostra resoluta, mesmo vendo que Orfa tenha se despedido e voltado para Moabe (Rt 1.15), e tendo também como um fator o pessimismo de Noemi a respeito de seu futuro; ainda assim, Rute persiste em ficar ao lado da sua amada sogra (Rt 1.14,16). Sua determinação não estava apenas no âmbito afetivo, mas, também em suas convicções religiosas, pois estava decidida a abandonar os deuses de Moabe tornado-se seguidora do Deus de Israel “[...] o teu povo é o meu povo, o teu Deus é o meu Deus” (Rt 1.16). Esta determinação ainda é ressaltada ao se dispor em ir ao campo colher espigas

trazendo provisão para ela e sua sogra (Rt 2.1,7,17,18). Foi com firme propósito que Daniel deu testemunho de sua fé em Babilônia (Dn 1.8); essa é a atitude necessária de quem está envolvido na obra de Deus (1Co 15.58); de quem visa a recompensa divina (Hb 6.11; 10.35,36); e de quem espera a vinda de Jesus (Tg 5.7,8).

3.3 Submissão (Rt 2.2,7,10). De acordo com Aurélio submissão quer dizer: “Ato ou efeito de submeter-se. Disposição para aceitar uma condição de dependência” (2004, p. 1885). Submissão é outro aspecto do caráter de Rute; sua humildade é revelada ao se submeter à sua sogra, pedindo autorização para ir ao campo; ao pedir permissão para colher as espigas ao encarregado dos segadores, mesmo sendo um direito concedido às viúvas (Dt 24.19); como também ao receber o favor de Boaz “Então ela caiu sobre o seu rosto, e se inclinou à terra; e disse-lhe: Por que achei graça em teus olhos, para que faças caso de mim, sendo eu uma estrangeira?” (Rt 2.10). O apóstolo Paulo nos ensina que a submissão voluntária derivada do amor deve ser: (a) a base dos relacionamentos domésticos (Ef 5.21,22,25; Cl 3.18-21); (b) necessário como um meio evangelístico (1Pe 3.1); (c) no trato com os líderes (Tt 3.1; Hb 13.17; 1Pd 2.13-15); (d) como também com os liderados (1Pe 2.18); (e) nos relacionamentos interpessoais (1Pe 5.5), e com Deus (Hb 12.9; Tg 4.7).

3.4 Digna de confiança. As muitas qualidades de Rute abriram portas por onde ela passava. Suas virtudes foram percebidas pelos trabalhadores, que sabendo de sua origem étnica não lhe fez objeção, deixando ela colher as espigas (Rt 2.7); pelo próprio Boaz que lhe concedeu certos privilégios, devido ao conhecimento que tinha de seu comportamento (2.11-16). A fama de Rute precedeu a sua chegada a Belém, de modo que todos testificavam do seu bom caráter “[...] pois toda a cidade do meu povo sabe que és mulher virtuosa” (Rt 3.11). A confiança é conquistada a partir das qualidades positivas de uma pessoa. O profeta Eliseu recebeu guarida em suas viagens a serviço de Deus, ao ter seu caráter santo destacado (2Rs 4.9,10). O patriarca José ainda que acusado injustamente, teve sua vida poupada por Potifar, sabendo este do caráter puro do jovem hebreu (Gn 39.19,20).

IV – A RECOMPENSA DE DEUS PARA RUTE

A virtude nunca fica sem recompensa. Quem semeia ainda que com lágrimas, colhe seus frutos com alegria (Sl 126.5,6). Quem semeia com fartura, com abundância faz a sua colheita (2Co 9.6) (LOPES, 2007 p. 82). Rute chegou em Belém como uma viúva estrangeira, sem perspectiva aparente, no entanto, Deus cumpriu na íntegra a palavra dita por Boaz (Rt 2.12). Vejamos algumas ações de Deus em benefício de Rute:

4.1 Dirigiu seus passos. Ao tomar a iniciativa em ir em busca do necessário pra o sustento dela e de sua sogra, Rute sem saber está sendo guiada pela mão invisível de Deus “[...] por casualidade entrou na parte que pertencia a Boaz, o que era da família de Elimeleque” (Rt 2.3 – ARA). Por trás de um aparente acaso, Deus revela sua providência graciosa “[...]quanto a mim, o SENHOR me guiou no caminho” (Gn 24.27). “A vida é composta por dois andares. No andar de baixo, pensamos que as coisas acontecem por casualidade, mas, no andar de cima, temos a garantia de que as mãos de Deus dirigem o nosso destino” (SCHAEFFER apud LOPES, 2007, p. 70). “E sabemos que todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus [...]” (Rm 8.28).

4.2 Restaurou a honra familiar. Ao voltar do campo após o encontro com Boaz, Rute conta as boas novas à sua sogra que, da condição de amargurada passou à abençoada, mostrando a mudança no coração de Noemi (Rt 2.20), isso ocorre em virtude de uma nova esperança, Boaz é um dos remidores da família. Como pode ser visto, o parente resgatador poderia salvar os familiares da pobreza e dar-lhes um recomeço (Lv 25.25-34). Quando Rute contou a Noemi o que Boaz havia dito, a esperança de Noemi se fortaleceu ainda mais, pois as palavras de Boaz revelaram seu amor por Rute e seu desejo de fazê-la feliz. Após um extenso período de perdas, chega o momento da restauração “[...] o choro pode durar uma noite, mas a alegria vem pela manhã” (Sl 30.5-b). A chegada de Rute no campo, deu a Boaz a oportunidade inicial de tornar-se seu benfeitor e abriu o caminho para que se casasse com ela no sistema do levirato, retirando toda a vergonha que repousava sobre a família de Noemi (Dt 25.5,6; Rt 3 e 4).

4.3 Incluída na genealogia de Jesus. O Livro de Rute começa com três funerais, mas termina com um casamento. O primeiro capítulo registra um bocado de choro, mas o último traz superabundância de alegria (WIERSBE, 2006, p. 192). Rute recebeu do Senhor a capacidade para conceber (Rt 4.13). O menino foi motivo de grande alegria para família e vizinhos, em especial sua avó Noemi (Rt 4.14-16). O nome “Obede” significa “servo”. Obede foi o pai de Jessé, avô de Davi, e ancestral do Senhor Jesus (Rt 4.17,21,22; 1Cr 2.12; Mt 1.5; Lc 3.32). Ao ser incluída na árvore genealógica do Messias, Rute passou também a ser uma figura no Antigo Testamento, que aponta para o valor universal da obra redentora de Jesus Cristo. Revelando a verdade que a participação no reino vindouro de Deus é determinada não por sangue ou nascimento, mas por ajustarmos a vida à vontade do Senhor mediante a obediência que vem pela fé (Rm 1.5).

CONCLUSÃO

De viúva moabita, sem filhos e passando fome, Rute passa a ser casada com o homem mais importante de Belém. Passa a ser rica. Passa as ser reconhecida como povo de DEUS. Passa a ser mãe de um ascendente do rei Davi, passa a ser ascendente de JESUS.

Aprendemos com rute que pode haver verdadeira amizade e amor para com nosso semelhante, em especial por uma sogra.Em meio às adversidades nasce a fé em DEUS. (Enquanto estava em Moabe Rute não manifestou sua fé, mas ao perder tudo e entrar numa terra estarnha, sua fé brotou como uma fonte de água). Rute é uma lutadora confiante num futuro melhor. Rute acredita que ainda poderá ter uma família.

Rute vê as circunstâncias e acontecimentos guiados por DEUS. Rute não temia seu passado, seu futuro estava à sua frente para ser conquistado.

Rute era uma moabita que se vinculou a uma família israelita e veio a fazer parte da linhagem do Messias. O cuidado de Rute para com Noemi revelou o seu caráter fiel e bondoso. Rute, pela graça divina, veio fazer parte da linhagem do Messias. Apesar de todas as calamidades à sua volta, nada impediu de Rute demonstrar seu caráter notável, como resultando de sua fé depositada no Deus de Israel, que a fez triunfar como recompensa por sua fidelidade. Como Rute, devemos nos posicionar como autênticos servos de Deus e revelando nosso caráter como cristão.

REFERÊNCIAS
·  ·  Comentário Bíblico Beacon: Josué a Rute. Vol. 02. CPAD

·  ·  LOPES, Hernandes Dias. Comentário de Rute. 

Chat

Interaja com a comunidade do Portal AD Alagoas.

participe »

Rádio Online

Ouça

Cadastro

Cadastre-se e receba as últimas novidades do Portal AD Alagoas.

Correspondente

Interaja com o Portal AD Alagoas e envie sugestões de matérias, tire suas dúvidas, e faça parte do nosso conteúdo.

participe »
Lições Bíblicas
Estudos Bíblicos
Correspondente - Enviar Matéria
Cadastro Cadastre-se e receba as últimas novidades do Portal AD Alagoas.
Facebook Twitter Siga-nos nas Redes Sociais