21 de outubro de 2017
Siga-nos nas redes sociais Facebook Twitter Instagram

AD Alagoas / Lições Bíblicas

04/05/2017

LIÇÃO 06 – JÔNATAS, UM EXEMPLO DE LEALDADE

Comentário da lição bíblica para o fim de semana com Pr. Jairo Teixeira


(1 Sm 18.3,4; 19.1,2; 20.8,16,17,31,32)
INTRODUÇÃO
Nesta lição estudaremos sobre Jônatas – Jônatas esteve à frente dos exércitos em função da lealdade que inspirava nas tropas, embora não fosse o comandante do exército de seu pai que era Abner, primo do rei Saul. Ele é apresentado na presente lição como um personagem bíblico de caráter exemplar. Um personagem pouco explorado nas Escrituras. Traremos informações acerca do seu nome, quem eram seus familiares; veremos algumas características deste que era o filho mais velho de Saul; destacaremos importantes traços do seu caráter; sua aliança com Davi, seu grande e estimado amigo; e, por fim, pontuaremos que a sua lealdade a Davi foi recompensada quando este ajudou seu filho Mefibosete.
I – INFORMAÇÕES SOBRE JÔNATAS
1.1 Nome. Nome que no hebraico é composto de duas palavras, a primeira é “Ya” uma abreviação do nome Yahweh; a segunda é “natã” que significa “dar”. Logo, o nome completo quer dizer: “O Senhor tem dado”. Era um nome comum entre os israelitas em todos os períodos (Jz 18.30; 2 Sm 23.32; 1 Rs 1.42; 1 Cr 2.32).
1.2 Seus pais. Jônatas era filho de Saul e Ainoã (1 Sm 14.50). Saul foi o primeiro rei de Israel, e Jônatas era o primogênito e legítimo herdeiro do trono, já que o reino era hereditário (1 Cr 8.33; 9.39). Mas, por causa da desobediência de seu pai, Deus transferiu o reino para Davi (1 Sm 15.28,35; 16.1).
1.3 Sua família. Jônatas era casado, pois a Bíblia registra que ele teve um filho: “e o filho de Jônatas foi Meribe-Baal, e Meribe-Baal gerou a Mica” (1 Cr 9.40). Meri-Baal também era chamado de Mefibosete (2 Sm 4.4; 9.6).
II – CARACTERÍSTICAS DE JÔNATAS
Jônatas era um homem de coragem, sabedoria e honra, com o potencial de ser um dos maiores reis de Israel. Vejamos algumas de suas características:
2.1 Um filho obediente. Jônatas foi um filho obediente ao seu pai Saul. Nada o rei fazia sem contar a Jônatas (1 Sm 20.2). Mesmo quando Saul havia sido rejeitado por Deus para ser rei, manteve-se ao seu lado como um fiel companheiro: “Saul e Jônatas, tão amados e queridos na sua vida, também na sua morte não se separaram” (2 Sm 1.23).
2.2 Um valente guerreiro. A destreza de Jônatas como guerreiro é evidente em toda narrativa de sua história, principalmente em 1 Samuel 13.1-23 e 14.1-13. Com dois anos de governo Saul escolheu três mil homens para formarem o exército (1 Sm 13.1). Dois mil ficaram com ele e mil ficaram sob a liderança de Jônatas que não tardou em atacar os filisteus (1 Sm 13.2,3). A maior parte das vitórias de Israel deu-se sob o comando de Jônatas. Mais tarde quando veio a falecer no monte Gilboa, Davi tomou conhecimento, lamentou, chorou e fez referência em seu lamento a habilidade deste como guerreiro, dizendo que era “mais ligeiro que a águia e mais forte que o leão” (2 Sm 1.22,23).
2.3 Um soldado benquisto pelo povo. Por causa de seu êxito nas investidas contra os inimigos de Israel, Jônatas era amado pelo povo (1 Sm 14.45). Jônatas morreu como um soldado, lutando bravamente por sua pátria, por isso o sepultaram-no dignamente (1 Sm 31.12,13).
III – TRAÇOS DO CARÁTER DE JÔNATAS
Ha um provérbio popular que diz: “Tal pai, tal filho”, sugerindo que os filhos tendem a demonstrar o mesmo comportamento de seus pais. Mas tal entendimento não pode ser generalizado. O exemplo de Jônatas é prova disso. Seu caráter praticamente era oposto ao do seu pai. Vejamos alguns aspectos do caráter de Jônatas. Os estudos modernos feitos sobre a herança genética mostram-nos que devemos receber menos crédito quando nossos filhos se saem bem, e menos culpa quando se saem mal. Jônatas era o oposto de seu pai. Jônatas era homem generoso, justo e completamente destituído de inveja. Em contraste com o espírito traiçoeiro de Saul, Jônatas era leal. Era homem dotado de grande coragem e determinação, capaz de amar verdadeiramente. Uma outra característica significativa sua era que, a despeito de todos os erros cometidos por seu pai, ainda assim ele se pôs ao lado de seu pai, combatendo junto com ele até o fim. Os dois foram companheiros na mor
3.1 Um homem de coragem.
Saul era um homem inseguro e ciumento. Jônatas não herdou nem desenvolveu esse traço da personalidade do pai. Era corajoso. Em Micmás, ele lutou contra a guarnição dos filisteus, com seu pajem de armas, e os derrotou, confiando em Deus. Revelou-se um comandante de tropas, um herói e um homem de fé (1Sm 14.6). Mas sua coragem não era apenas física e emocional. Ele tinha a grandeza espiritual que lhe dava confiança, diante das adversidades (1Sm 14.1-4). Ele revelou firmeza diante dos inimigos, e lealdade diante dos amigos.Em Micmás, a liderança fraca de Saul quase põe tudo a perder. No entanto, a fidelidade e o compromisso com Deus de seu filho Jônatas, leva a vitória a Israel, mesmo diante de uma situação impossível de ser vencida! Jônatas não levou em conta a superioridade numérica do inimigo, pois sabia que o Senhor estava ao seu lado. A coragem do anônimo pajem de Jônatas deve ser destacada, também. Ele respondeu: “Faze tudo o que tiveres em mente; eu irei contigo” (1Sm.14.7). Quando Saul chegou, não precisou lutar. Deus não traria vitória através de Saul. Deus suscitou um exército do próprio exército inimigo! Um exército que eles não sabiam que tinham!
3.2 Uma pessoa de fé. Na ocasião em que os filisteus estavam cercando Israel, junto com um soldado, Jônatas fez uma investida contra uma parte do exército inimigo (1 Sm 14.1). Sem que o seu pai e o povo soubesse (1 Sm 14.1,3) ele deslocou-se até a guarnição dos filisteus e entre duas pedras agudas (1 Sm 14.4) disse aos seu moço que estava com ele: “[...] Vem, passemos à guarnição destes incircuncisos; porventura operará o SENHOR por nós, porque para com o SENHOR nenhum impedimento há de livrar com muitos ou com poucos” (1 Sm 14.6). Diferente de seu pai Saul, Jônatas mostrava ter fé verdadeira no Senhor. Destaca-se ainda que antes de atacar, ele esperou um sinal de que o Senhor estaria com ele (1 Sm 14.8-10). Deus confirmou dando-lhe este sinal e o fez prosperar na batalha (1 Sm 14.11-15).
3.3 Um homem humilde. Após a derrota do gigante filisteu por Davi, Jônatas nutriu por ele uma amizade sincera (1 Sm 18.1,3), e demostrou isso lhe presenteando com a sua vestimenta de guerreiro (1 Sm 18.4). Isto nos revela uma atitude de humildade. Lima (2017, p. 64) nos diz que este ato: “indica que ele consciente e amorosamente transferiu o direito ao trono a seu amigo Davi”. Além disso, Jônatas não ficou ressentido por ver Davi prosperar nas batalhas mais do que ele, seu pai Saul e os soldados do exército e de conquistar a simpatia do povo (I Sm 18.5). Pelo contrário, apesar de ser o filho mais velho de Saul, e naturalmente o herdeiro do trono após a sua morte, entendeu que Davi deveria ser rei (1 Sm 23.17). Já Saul, ao ouvir o cântico das donzelas sobre a prosperidade de Davi, teve inveja e começou a persegui-lo (1 Sm 18.6-9).
 3.4 Um amigo leal. Jônatas não se revela apenas como uma pessoa de fé e humildade, mas também como amigo leal (1 Sm 18.3; 19.1). O adjetivo “leal” segundo Aurélio (2004, p. 1189) significa: “sincero, franco e honesto. Fiel aos seus compromissos”. Champlin (2004, p. 746) nos diz: “ser leal é ser fiel em qualquer relacionamento; é confiar e ser digno de confiança; é oferecer e receber verdadeira lealdade e devoção”. Mas, em que ocasiões vemos a lealdade de Jônatas? Citaremos algumas: (a) na ocasião que explicitamente, Saul por inveja, mandou Jônatas e os seus soldados matarem Davi (I Sm 19.1). Jônatas não somente se negou a fazê-lo, mas anunciou a Davi para que escapasse, e ainda persuadiu o seu pai, a não realizar tão grande mal (I Sm 19.2-6); (b) a ira de Saul contra Davi retornou e ele tentou novamente matá-lo (1 Sm 20.1). Ao ser informado, Jônatas dessa vez não acreditou, mas acertou com Davi para ver se de fato era assim (1 Sm 20.4- 13). Jônatas conferiu a informação que era verdadeira e procurou noticiar a Davi, livrando-o assim da morte novamente (1 Sm 20.35-43); e, (c) nesta mesma ocasião, Jônatas quase morreu por perguntar ao seu pai, o porque do ódio contra Davi (1 Sm 20.32,33). Quando foi obrigado a escolher entre o pai e Davi, Jônatas ficou ao lado do amigo, o qual reconhecia como o escolhido do Senhor (1 Sm 23.17). Embora nunca tenha abandonado seu pai (2 Sm 1.23). Precisamos ser leais em todas as áreas da nossa vida: a Deus, ao nosso semelhante, e, aos nossos compromissos (Pv 3.3; 28.20; Lc 16.10; Tt 2.10).
IV – A ALIANÇA ENTRE JÔNATAS E DAVI
Consta na narrativa histórica dos Livros de Samuel diversas vezes que Jônatas e Davi fizeram aliança entre si (1 Sm 18.3; 20.16; 23.18). Principalmente em 1 Samuel 20.14-17 uma aliança entre Davi e Jônatas surgiu, a qual enfatizou a atitude de Davi em relação a Jônatas e seus descendentes. Jônatas reconheceu que Davi seria o próximo rei, e pediu que Davi jurasse que teria misericórdia de sua casa. Champlin (2004, p. 1999) nos diz que “Jônatas temia o que poderia acontecer a seus filhos órfãos. Era costume no Oriente, em todas as épocas, quando uma dinastia era violentamente mudada, o novo rei tirar a vida de toda a família do ex-monarca”. Abimeleque fez o possível para que ninguém sobrasse da casa de Gideão (Jz 9.5); o mesmo aconteceu com Atalia, que não quis que alguém sobrevivesse da semente real (2 Cr 22.10,11). Davi, no entanto, manteve esta aliança e provou ser verdadeiro para com o seu amigo (2 Sm 9.1-13).
V - A RECOMPENSA DA LEALDADE
Apesar de Davi ter sofrido muitas perseguições de Saul (1 Sm 18.10,11; 21-22,29; 19.1; 9-10) e de ter oportunidade de matá-lo, duas vezes (I Sm 24.3-12; 26.8-11), mostrou-se benigno não lhe fazendo mal nem a sua descendência. Pelo contrário, quando estava no trono Davi decidiu beneficiar alguém que restou da família de Saul, por amor de Jônatas seu amigo (2 Sm 9.1,7), como veremos a seguir:
5.1 A lembrança de Davi (2 Sm 9.1). Davi havia alcançado o alto posto de monarca segundo a promessa de Deus (I Sm 16.13; 2 Sm 8.15). No entanto, mesmo nesta alta posição não havia esquecido de onde veio e a aliança que fez com seu amigo Jônatas quando ainda não era rei: “e disse Davi: Há ainda alguém que tenha ficado da casa de Saul, para que lhe faça benevolência por amor de Jônatas? Isso aconteceu bem depois de sua ascensão ao trono porque, pelo que tudo indica, Mefibosete, que tinha apenas 5 anos de idade quando Saul morreu, já era pai de um filho nessa ocasião (2 Sm 9.12). Davi foi avisado por um servo de Saul, chamado Ziba, que havia ainda vivo um filho de Jônatas, chamado de Mefibosete que era coxo de ambos os pés (2 Sm 9.2,3). Então Davi mandou chamá-lo (2 Sm 9.4,5).
5.2 A misericórdia de Davi (2 Sm 9.1,3,7). Ao invés de chamar algum descendente da família de Saul para executar, Davi convoca para usar de misericórdia. Em 2 Sm 9.1 Davi fala de “beneficência”; em 2 Sm 9.3 de “benevolência de Deus”; e, em 2 Sm 9.7 ele fala de “benevolência”. Matthew Henry (2010, p. 380 – acréscimo nosso) diz: “a beneficência que Davi prometeu mostrar é: (a) beneficência em busca de cumprir a aliança que havia entre ele e Jônatas, da qual Deus era testemunha (1 Sm 20.42); (b) beneficência em relação ao exemplo de Deus; pois devemos ser misericordiosos como Ele o é (Sl 17.7; 103.2; Lc 6.36); e, (c) Essa beneficência tem um caráter piedoso, tendo um olho em Deus, bem como na sua honra e favor (Mt 5.16; 1 Pe 2.12).
5.3 A lealdade de Davi (2 Sm 9.9). Quando Davi chamou Mefibosete a sua presença, ele veio temendo e tremendo, por certo pensando que o rei o executaria, pois era o único que sobrara da descêndência de Saul (2 Sm 9.6). No entanto, Davi o apazigua dizendo: “Não temas, porque decerto usarei contigo de benevolência por amor de Jônatas, teu pai [...]”. Em seguida o rei Davi lhe concedeu: (a) um servo para ajudá-lo (2 Sm 9.9,10); (b) restituiu as terras de seu avô e seu pai (2 Sm 9.7-a); e, (c) lhe concedeu um lugar a mesa, como um dos filhos do rei (2 Sm 9.11).
CONCLUSÃO
A amizade entre Jônatas e Davi foi um tipo do amor de Jesus por Sua Igreja. Quando Jônatas encontrou com Davi, depois que ele matou Golias e firmou com ele uma aliança perpétua, a primeira coisa que Jônatas fez foi se despojar, se despir de suas vestes de príncipe e entregá-las a Davi, veja: “E Jônatas se despojou da capa que trazia sobre si, e a deu a Davi, como também as suas vestes, até a sua espada, e o seu arco, e o seu cinto.” (1Sm 18.4). “Ora, àquele que é poderoso para vos guardar de tropeçar e apresentar-vos irrepreensíveis, com alegria, perante a sua glória. Ao único Deus sábio, Salvador nosso, seja glória e majestade, domínio e poder, agora, e para todo o sempre. Amém”. (Judas 24-25). Aprendemos com Jônatas que devemos nutrir boas amizades e agirmos com lealdade a Deus e nos nossos relacionamentos. Na vida as nossas atitudes sejam boas ou más, são como semente que lançamos dia a dia no terreno da nossa vida. Mais cedo ou mais tarde teremos que colher o fruto das nossas decisões.
REFERÊNCIAS
·  CHAMPLIN, R. N. Dicionário de Bíblia, Teologia e Filosofia. HAGNOS.
·  FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. POSITIVO.
·  LIMA, Elinaldo R. de. O Caráter do Cristão. CPAD. 

Chat

Interaja com a comunidade do Portal AD Alagoas.

participe »

Rádio Online

Ouça

Cadastro

Cadastre-se e receba as últimas novidades do Portal AD Alagoas.

Correspondente

Interaja com o Portal AD Alagoas e envie sugestões de matérias, tire suas dúvidas, e faça parte do nosso conteúdo.

participe »
Lições Bíblicas
Estudos Bíblicos
Correspondente - Enviar Matéria
Cadastro Cadastre-se e receba as últimas novidades do Portal AD Alagoas.
Facebook Twitter Siga-nos nas Redes Sociais